Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Carnaval está chegando: veja as doenças que podem ser transmitidas pelo beijo

    Beijar na boca é muito comum durante a folia, mas algumas doenças podem ser transmitidas no ato; veja quais são e os riscos

    Beijar na boca é muito comum no Carnaval, mas algumas doenças podem ser transmitidas através do ato
    Beijar na boca é muito comum no Carnaval, mas algumas doenças podem ser transmitidas através do ato Capuski/GettyImages

    Gabriela Maraccinida CNN

    O Carnaval é uma época repleta de alegria, dança, música e, também, muito beijo na boca. Apesar de esse hábito ser, muitas vezes, prazeroso, ele pode trazer riscos à saúde. Afinal, várias doenças podem ser transmitidas pelo beijo.

    “O beijo é um contato muito íntimo e inclui algumas vias de transmissão de vírus, fungos e bactérias, como a saliva e a respiração”, explica Dania Abdel Rahman, infectologista e coordenadora do setor de Infectologia Clínica e Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Albert Sabin.

    Confira, a seguir, as principais doenças que podem ser transmitidas pelo beijo, quais riscos elas oferecem para a saúde e como tratá-las.

    Mononucleose

    Também conhecida como “a doença do beijo“, a mononucleose é a mais comum de ser transmitida através do contato boca a boca. Ela é causada pelo vírus Epstein-Barr e acomete, principalmente, crianças e adolescentes.

    No caso da infecção infantil, ela está relacionada ao contato com crianças contaminadas em creches e pode ser transmitida pelas vias aéreas ou pelo compartilhamento de objetos, como talheres, brinquedos, canudos, entre outros. Já na adolescência e vida adulta, ela pode ser transmitida pelo beijo.

    A mononucleose causa sintomas como febre, aumento dos linfonodos (chamados de “ínguas”), dor de garganta e dor no corpo. “Normalmente, ela não traz nenhuma complicação e é uma doença autolimitada, ou seja, que se resolve sozinha”, esclarece a infectologista.

    Citomegalovírus

    O citomegalovírus (CMV) é outro patógeno que pode ser transmitido pela saliva, podendo ser contraído através do beijo. A citomegalovirose é caracterizada pela febre persistente e pelo aumento dos linfonodos e também é autolimitada.

    No entanto, em pessoas com o sistema imunológico comprometido – por doenças imunossupressoras ou por quimioterapia, por exemplo – essa doença pode levar a complicações mais graves, afetando o sistema nervoso central e causando inflamações no olho.

    “É muito raro que o citomegalovírus cause alguma lesão na pele, mas pode causar alguma outra complicação se for adquirido por um paciente imunossuprimido”, ressalta Dania.

    Herpes labial

    O herpes labial, causado pelo vírus herpes simplex tipo 1, é outra doença comumente transmitida pelo beijo. Ela é caracterizada pela formação de bolhas no lábio e pode ser passada para outra pessoa pela saliva. Uma vez infectado, o vírus fica alojado no organismo para o resto da vida e as lesões podem voltar a aparecer de tempos em tempos.

    “O herpes simplex está presente em mais de 90% das pessoas. Elas têm o vírus escondido em algum lugar, mesmo não apresentando os sintomas”, explica Marcelo Ducroquet, médico infectologista e professor de Medicina da Universidade Positivo (UP).

    Caxumba

    A caxumba também é uma infecção viral que pode ser transmitida através do contato com a saliva de pessoas infectadas. No entanto, por conta da vacinação, realizada com o imunizante Tríplice Viral (que também protege contra sarampo e rubéola), é uma doença menos comum.

    “Há uns anos, houve um surto de caxumba em universidades e escolas porque a proposta da vacinação era de apenas uma dose da tríplice viral e algumas pessoas ficaram pouco protegidas. Hoje em dia, o esquema é feito com duas doses, então, se a pessoa está com a vacina em dia, é difícil ter a doença”, explica Marcelo.

    Doenças respiratórias

    As doenças respiratórias, apesar de não serem transmitidas exclusivamente pela saliva, também podem ser contraídas através do beijo. É o caso de resfriado, gripe e Covid-19.

    “Essas também entram no pacote. Elas não são transmitidas apenas pelo beijo e estão mais relacionadas à aglomeração comum nessa época [de Carnaval], mas o fato de beijar na boca aumenta a chance de transmissão, porque é um contato direto”, alerta o infectologista.

    Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs)

    Apesar de ser mais raro, algumas ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) também podem ser transmitidas pelo beijo. É o caso da gonorreia e da sífilis, que podem causar lesões orais. No entanto, essa é uma situação mais difícil de ocorrer.

    “Para que isso ocorresse, seria preciso uma pessoa ter feito sexo oral com alguém contaminado e, ao invés de ela contrair o vírus na região genital, que é o habitual, ela passa a tê-lo na boca e pode passar para outra pessoa através do beijo. Mas é uma situação de exceção, é muito raro de acontecer”, afirma Marcelo.

    Como é feito o tratamento dessas doenças?

    O tratamento de doenças transmitidas pelo beijo varia de acordo com cada caso. “A sífilis e a gonorreia são tratadas com antibióticos. Já as outras doenças virais, como o citomegalovírus e a mononucleose, são de curso autolimitado, se resolvem sozinhas”, afirma Dania.

    Nesse último cenário, o tratamento é sintomático, ou seja, são utilizados medicamentos para aliviar os sintomas, como febre, inchaço nos linfonodos e a dor de garganta. Já em relação à herpes labial, pode ser usada, ainda, pomadas antivirais, como a Aciclovir.

    “No geral, são doenças de baixa gravidade. Não têm cura, não têm um tratamento específico, mas também não trazem, por outro lado, consequências maiores”, finaliza Marcelo.