Casos de ‘doença da urina’ preta afetam brasileiros em ao menos três estados

Amazonas, Ceará e Bahia investigam casos suspeitos da doença associada ao consumo de peixes; AM pede para moradores evitarem consumo de determinadas espécies

Doença já foi notificada em diversos municípios do Amazonas
Doença já foi notificada em diversos municípios do Amazonas Foto: Reprodução/CNN Brasil

Camila Neumamda CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Casos de rabdomiólise ou ‘doença da urina preta’, associada ao consumo de peixes, são investigados em ao menos três estados brasileiros. A maioria está concentrada no Amazonas, onde já foram notificados 61 casos suspeitos em dez municípios, até quinta-feira (9), de acordo com a secretaria estadual de Saúde do Amazonas.

Segundo levantamento da CNN, as secretarias de saúde estaduais do Ceará e Bahia também investigam casos suspeitos da doença.

Até a quinta-feira (9), a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-RCP) registrou 37 casos suspeitos de rabdomiólise em Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus), com um óbito; quatro em Silves; quatro em Borba; quatro em Parintins; quatro em Maués; três em Manaus; dois em Urucurituba; um em Manacapuru; um em Caapiranga, e um em Autazes. Dos seis novos casos suspeitos, três são de Maués, dois de Urucurituba e um de Parintins.

Do total de internados pela doença, dois estão em Maués, um em Urucurituba e um em Parintins. Segundo nota da secretaria estadual de saúde do Amazonas, todos os pacientes estão estáveis e sendo monitorados.

“Estamos investigando para confirmar as possíveis causas desse surto de rabdomiólise no Amazonas, inclusive com a presença de facilitador do Ministério da Saúde dando o suporte às nossas ações”, afirmou a diretora-técnica da FVS-RCP, Tatyana Amorim.

Entre os casos notificados no Amazonas, foi detectada a ingestão prévia de peixes seguida de sintomas como palpitação e rigidez muscular, boca seca, náusea, vômitos, dor no tórax, mal-estar, dispneia (falta de ar) e febre, informou a secretaria.

Segundo a coordenadora do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Amazonas, Liane Souza, as investigações ainda estão em andamento para traçar o perfil de todos as novas notificações. “Os dois casos de Urucurituba já nos foi notificado e trata-se de uma pessoa do sexo feminino, de 74 anos, e uma do sexo masculino, de 24 anos. De Parintins e de Maués, ainda estamos investigando os detalhes”, afirmou em nota.

No dia 1º de setembro, a Secretaria Estadual de Saúde do Amazonas emitiu um comunicado orientando a população de Itacoatiara a evitar o consumo de peixes como pacu, pirapitinga e tambaqui, de origem de pesca de rios e lagos, por pelo menos quinze dias.

Uma força-tarefa do governo do Amazonas acompanhou a ocorrência de casos em Itacoatiara, onde foram coletadas amostras da água dos rios que banham os municípios com casos suspeitos, assim como de peixes contaminados, de frutos que ficam dentro da água dos rios e servem de alimento para os pescados, além de amostras de sangue e de soro dos pacientes hospitalizados pela síndrome.

Casos no Ceará

Por e-mail, a Secretaria da Saúde do Ceará informou que amostras de peixes contaminados foram enviadas para a pesquisa de toxina e que está aguardando confirmação laboratorial. Até 21 de agosto, foram notificados nove casos suspeitos de rabdomiólise no estado. Desses, quatro em homens e cinco mulheres. A idade média foi 51 anos, segundo a secretaria estadual de Saúde.

Dos nove casos suspeitos, todos apresentaram sintomas como dor muscular em membros inferiores e superiores, urina vermelha ou marrom; quatro apresentaram dor articular e dor na região cervical (pescoço, trapézio, dorso), e um apresentou febre, segundo a secretaria.

Casos na Bahia

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde da Bahia, casos da síndrome começaram a ser notificados no estado em 2016. Até setembro deste ano, já foram 13 casos confirmados e cinco estão sob investigação nos municípios de Alagoinhas, Salvador, Maraú, Mata de São João, Camaçari e Simões Filho.

Os casos confirmados são de pacientes de 20 a 79 anos, sendo que a faixa etária mais acometida é de 35 a 49 anos, com sete casos (53,8%), seguida da faixa etária de 20 a 34 anos, com cinco casos (38,5%), e o restante sem a identificação da idade (7,7%). Entre os casos confirmados, 66% foram do sexo masculino, segundo a secretaria.

A Secretaria Estadual de Saúde da Bahia recomenda procurar atendimento médico a quem apresentar sintomas da doença.
“Ao sentir dores musculares e notar urina escura após o consumo de peixes ou crustáceos, deve-se procurar imediatamente uma unidade de saúde”, escreveu à CNN por e-mail.

Doença da urina preta

De acordo a epidemiologista Rosemary Costa Pinto, da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, a rabdomiólise é uma síndrome que decorre da lesão muscular, com a liberação de substâncias intracelulares para a circulação sanguínea. Não há tratamento específico para a doença.

“Ela ocorre normalmente em pessoas saudáveis, na sequência de traumatismos, atividade física excessiva, crises convulsivas, consumo de álcool e outras drogas, infecções e ingestão de alimentos contaminados, que incluem o pescado”, afirmou por meio de publicação da fundação.

Medidas de controle:

  • Evitar comer pescados crus
  • Não consumir pescados ou crustáceos de origem, transporte ou armazenamento desconhecidos. O ideal é comprar esses produtos em locais cuja procedência ofereça segurança
  • Recomenda-se exame para dosagem de creatinofosfoquinase (CPK) e TGO para observação da alteração dos valores normais nos exames
  • Observar a cor da urina (escura) como sinal de alerta. Neste caso, o paciente deve ser rapidamente hidratado durante 48 ou 72 horas
  • Não é indicado uso de anti-inflamatórios
  • Orientar a população a buscar uma unidade de saúde no caso de aparecimento dos sintomas
  • Identificar outros indivíduos que possam ter consumido do mesmo peixe ou crustáceo para captação de possíveis novos casos da doença
  • Recomenda-se coleta de amostras de alimentos para o setor de microbiologia de alimentos

Mais Recentes da CNN