CEO da Moderna diz que vacina contra Covid-19 deve proteger por ‘alguns anos’

Em evento online, Stephane Bancel afirma que queda na quantidade de anticorpos gerados pela vacina em humanos diminui muito lentamente

Reuters

Ouvir notícia

 

A vacina contra o novo coronavírus da farmacêutica Moderna deve oferecer proteção por alguns anos, disse o presidente-executivo da empresa nesta quinta-feira (7), embora mais dados ainda sejam necessários para fazer uma avaliação definitiva.

A empresa de biotecnologia dos EUA, que surpreendeu o mundo no ano passado ao apresentar uma vacina contra a Covid-19 em apenas algumas semanas, recebeu aprovação da Comissão Europeia para seu imunizante na quarta-feira (6).

Considerando que o desenvolvimento de vacinas e a farmacovigilância geralmente requerem anos, a duração da proteção das vacinas contra o novo coronavírus é uma questão persistente para cientistas e reguladores.

“O cenário de pesadelo que foi descrito na mídia na primavera com as vacinas funcionando apenas por um ou dois meses está, eu acredito, fora de questão”, disse o CEO da Moderna, Stephane Bancel, em um evento organizado pelo grupo de serviços financeiros Oddo BHF.

Assista e leia também:
Comissão Europeia autoriza uso vacina da Moderna contra o novo coronavírus
EUA consideram usar meia dose da vacina da Moderna para ampliar vacinação
Demora na vacinação pode comprometer eficácia de imunizantes, diz biomédica

Caixas com vacinas das Moderna contra Covid-19 em centro de distribuição nos EUA
Caixas com vacinas das Moderna contra Covid-19 em centro de distribuição no Mississippi, nos EUA
Foto: Paul Sancya – 20.dez.2020/Reuters

“A queda na quantidade de anticorpos gerados pela vacina em humanos diminui muito lentamente (…) Acreditamos que haverá proteção potencialmente por alguns anos.”

Bancel acrescentou que sua empresa está prestes a provar que sua vacina também será eficaz contra variantes do coronavírus vistas no Reino Unido e na África do Sul.

Os cientistas afirmam que as vacinas recém-desenvolvidas devem ser igualmente eficazes contra ambas as variantes.

Mais Recentes da CNN