Correspondente Médico: vacinas não serão impactadas por mutação do coronavírus

Neurocirurgião Fernando Gomes explica o que aconteceu no Reino Unido com o surgimento de uma nova cepa do novo coronavírus

da CNN, em São Paulo
21 de dezembro de 2020 às 10:46 | Atualizado 21 de dezembro de 2020 às 11:10


 

Na edição desta segunda-feira (21) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes, falou sobre a mutação do novo coronavírus e se as vacinas contra a doença serão eficazes para combatê-la. 

“Ao que tudo indica, apesar de ter sido detectada uma provável forma de transmissão mais potente, não significa que a doença seja mais grave ou que os casos tenham uma evolução pior. Então, muito provavelmente, as vacinas não serão impactadas por conta dessa variação. Ou seja, a vacina vai continuar sendo positiva no intuito de proteger todas as pessoas”, explicou Gomes.

Assista e leia também:
Com a chegada da vacina contra Covid-19, como lidar com o medo de agulhas?
Atestado para tomar vacina contra Covid-19 pode abonar falta no trabalho?
Mutação da Covid-19 fecha fronteiras e acende novo alerta às vésperas do Natal
Mutação da Covid: Argentina e Chile suspendem voos do Reino Unido; veja países

O secretário de Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, chegou a afirmar que a nova cepa está fora de controle. Ela teria se originado no sudeste da Inglaterra e já teve casos confirmados em outros países da Europa, como na Dinamarca, Holanda, Austrália e Itália. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), esta nova linhagem teria uma capacidade de contágio 70% maior que as outras.

Vacina contra Covid-19
Foto: Dado Ruvic/Reuters (30.out.2020)

(Publicado por: André Rigue)