Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CFM pede que venda de cloroquina e hidroxicloroquina só ocorra com receita

    Conselho Federal de Medicina pede à Anvisa que emita regulamentação sobre a venda e o uso desses remédios, usados originalmente contra a malária

    CFM quer que Anvisa regulamente venda e uso de remédios com cloroquina e hidroxicloroquina
    CFM quer que Anvisa regulamente venda e uso de remédios com cloroquina e hidroxicloroquina Foto: Chris Wattie - 12.jun.2019/ Reuters

    Da CNN Brasil, em São Paulo

    Ouvir notícia

    O Conselho Federal de Medicina (CFM) quer que a venda de medicamentos que contém cloroquina e hidroxicloroquina seja autorizada apenas com receita médica.

    Em nota enviada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Avisa) nesta sexta-feira (20), o CFM pede que a agência emita uma regulação sobre comercialização e a dispensação de medicamentos com esses princípios em sua composição.

    A entidade argumenta que a compra e o uso indiscriminado destes remédios não são recomendados e podem provocar desabastecimento destes produtos.

    Assista e leia também

    ‘Sistema de saúde entrará em colapso no final de abril’, diz ministro da Saúde

    OMS cobra de jovens respeito a isolamento: ‘Vocês não são invencíveis’

    Senado aprova estado de calamidade pública por coronavírus

    “A automedicação pode representar grave risco à saúde e o consumo desnecessário pode acarretar desabastecimento dessas fórmulas, prejudicando pacientes que delas fazem uso contínuo para tratamento de doenças reumáticas e dermatológicas, além de malária”, afirma o CFM.

    Na falta de uma vacina e de antivirais específicos para tratar o novo coronavírus, pesquisadores em todo o mundo têm investigado desde o início do ano se drogas já existentes podem também atuar contra o COVID-19.

    Uma das candidatas é a cloroquina, usada há 70 anos contra a malária, e a hidroxicloroquina, um derivado menos tóxico da droga. No Brasil, a Anvisa disse que os estudos sobre uso de medicamentos com essas substâncias ainda não são conclusivos.

    Com informações do Estadão Conteúdo

    Mais Recentes da CNN