Com 98.832 registros, Brasil tem 2º maior número de casos de Covid-19 em 24 h

País registrou 2.495 óbitos em 24 h e se aproxima de 500 mil mortes pelo novo coronavírus

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O Brasil atingiu nesta sexta-feira (18) a marca de 498.499 mortes e 17.801.462 de casos de Covid-19. Segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), nas últimas 24 horas foram registradas 2.495 mortes e 98.832 novos casos da doença; segundo maior número de contaminações diárias desde o início da pandemia. O dia com mais registros foi 25 de março, com 100.158 casos.

A média móvel de mortes ficou em 2.038 nesta sexta-feira, o número corresponde ao balanço de mortes registradas nos últimos sete dias. O índice vem apresentando alta no mês de junho. 

Dentre os estados brasileiros mais afetados pela doença, estão São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e Santa Catarina; cada uma destas regiões já soma 1 milhão de infectados pela Covid-19.

São Paulo é o estado com maior número de mortes, são 120 mil óbitos pela doença. Em seguida, aparece o Rio de Janeiro, com 53 mil vítimas fatais, e depois Minas Gerais, com 43 mil mortes. 

O Brasil é o segundo país no mundo com mais mortes pelo novo coronavírus. Segundo a Universidade Johns Hopkins, os EUA ocupam o primeiro lugar, com 600 mil óbitos. Já em número de casos, o Brasil fica atrás apenas dos EUA e da Índia. 

Variante Delta da Covid-19 está se tornando globalmente dominante

A variante Delta da Covid-19, identificada pela primeira vez na Índia, está se tornando a variante da doença dominante no mundo, disse a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (17)

“A variante Delta está a caminho de se tornar a variante dominante globalmente por causa de sua maior transmissibilidade”, disse Soumya Swaminathan em entrevista coletiva.

Coveiro em traje de proteção sepulta caixão em cemitério de Manaus
Coveiro em traje de proteção sepulta caixão em cemitério de Manaus
Foto: Altemar Alcântara/Semcom (17.jun.2020)

Mais Recentes da CNN