Como uma vacina de 100 anos para tuberculose poderia ajudar contra COVID-19

Vacina BCG tem sido estudada em clínicas em todo o mundo como uma forma de combater o novo coronavírus

Vacina BCG
Vacina BCG Foto: FPG/Getty Images

Gina Yu, da CNN

Ouvir notícia

Enquanto pesquisadores lutam para encontrar novos medicamentos para a COVID-19, uma vacina que existe há mais de um século tem chamado a atenção dos pesquisadores. A vacina Bacillus Calmette-Guerin (BCG), que inicialmente foi desenvolvida contra a tuberculose, tem sido estudada em clínicas em todo o mundo como uma forma de combater o novo coronavírus. 

A tuberculose e a COVID-19 são duas doenças muito diferentes – tuberculose é causada por um tipo de bactéria, enquanto a COVID-19 é causada por um vírus. Mas a vacina BCG talvez ajude as pessoas a criarem imunidade para outras doenças além da tuberculose, causando “efeitos fora do alvo”, de acordo com a médica Denise Faustman, diretora de imunobiologia do Hospital Geral de Massachusetts e professora associada de medicina na Escola de Medicina de Harvard. 

“Em outras palavras, no formato de ensaio clínico, as pessoas começaram a obter sinais positivos ao receber a vacina, que não tinha nada a ver com a tuberculose”, afirmou. Faustman vem estudando há muitos anos como a vacina BCG afeta pessoas com diabetes tipo-1. Ela está interessada em saber como estes “efeitos fora do alvo” alteram o sistema imunológico de maneiras benéficas para pessoas com doenças autoimunes. 

Embora o mecanismo exato para esses efeitos fora do alvo da vacina BCG não seja claro, acredita-se que a vacina possa causar um aumento inespecífico da resposta imune.

Atualmente, não há vacina ou tratamento aprovado pela Food and Drug Administration dos EUA para o novo coronavírus. Enquanto espera que a vacina BCG se mostre eficaz contra a COVID-19 –como acontece com qualquer um dos tratamentos e vacinas em desenvolvimento–, o médico William Schaffner, especialista em doenças infecciosas da Escola de Medicina da Universidade Vanderbilt, admite que este conceito não é muito convencional. 
 
“Acho que a vacina BCG é um pouco equivalente ao passe de futebol americano Hail Mary”, disse Schaffner. “É um conceito tão fora da caixa que gostaria de ser otimista, mas teremos que esperar e ver.”

Vários países ao redor do mundo estão iniciando ensaios clínicos em humanos para avaliar a eficácia da vacina BCG, como a Austrália e a Holanda.

Faustman e seus colegas estão se preparando para os testes em Boston, que atualmente estão em processo de revisão em várias etapas. Depois de aprovados, ela e os membros de sua equipe esperam inscrever cerca de 4.000 profissionais de saúde no julgamento.

A vacina está disponível há mais de 100 anos e provou ser relativamente segura, disse Faustman.

“A BCG é anunciada pela Organização Mundial da Saúde como a vacina mais segura já desenvolvida no mundo”, disse ela. “Mais de 3 bilhões de pessoas já a utilizaram.”

Embora vários países, incluindo os Estados Unidos, não administrem regularmente a vacina BCG, ela ainda é muito utilizada em países em desenvolvimento.

Os pesquisadores tentaram verificar se esses países com administração regular da vacina BCG apresentam taxas mais baixas de mortalidade relacionada à COVID-19. Um estudo realizado por pesquisadores de Nova York encontrou uma associação entre as políticas universais de vacinação contra BCG nos países e redução da mortalidade para COVID-19. O estudo não foi revisado ou publicado em revistas científicas. 

Mas por que a China teve alta mortalidade com COVID-19, apesar de uma política universal de BCG desde os anos 50? O estudo mostra que a China teve uma política enfraquecida durante a Revolução Cultural nas décadas de 1960 e 1970, que poderia ter criado “um conjunto de potenciais hospedeiros que poderiam ter afetado e espalhado a COVID-19”.

Além disso, a China não teve um aumento tão acentuado em sua curva em comparação com outros países sem políticas universais, como Itália, Espanha e EUA, disse Faustman. Ela também acrescentou que diferentes cepas da vacina BCG podem ter diferentes taxas de eficácia.

Uma das principais limitações do estudo é que ele compara dados de diferentes países, que possuem cronogramas diferentes para COVID-19 e diferentes habilidades para testar.

“Foi uma comparação de 30.000 pés da ocorrência de infecções por Covid-19 em países que usavam intensamente a vacina BCG e aqueles que não usavam”, disse Schaffner. “Não devemos tirar conclusões disso, pois os países são muito diferentes. E, portanto, podem haver muitas outras razões que determinam com que frequência o coronavírus ocorreu nesses países”, afirmou.

“O estudo fornece mais incentivo para investigações mais específicas, como os testes clínicos que serão realizados”, completou.

Mais Recentes da CNN