Contágios, aumento de casos e hospitalizações: o que mudou com a Ômicron

Especialistas avaliam os cenários da variante Ômicron nos Estados Unidos

Foto de ilustração sobre a variante Ômicron do coronavírus
Foto de ilustração sobre a variante Ômicron do coronavírus 11/12/2021 REUTERS/Dado Ruvic

Da CNN em Espanholda CNN*

Ouvir notícia

O novo ano começou com um fluxo maior de casos de Covid-19, diferente de qualquer outro momento nesta pandemia.

Tudo por conta da variante Ômicron, que é mais contagiosa e pode causar doenças mais graves para os não vacinados e enfraquecer o sistema de saúde, segundo especialistas.

Agora, até os profissionais de saúde estão sendo colocados de lado [quarentenados] durante a rápida ascensão da variante Ômicron, que atingiu os Estados Unidos rapidamente.

E, em comparação com as variantes anteriores, a Ômicron colocou o sistema de saúde da América em um patamar muito diferente do que o país estava anteriormente, de acordo com Esther Choo, professora da Universidade de Saúde e Ciência de Oregon.

Aqui está o que você precisa saber sobre a Ômicron.

Mais de 73% dos casos nos Estados Unidos são causados pela Ômicron

A variante Ômicron do coronavírus é agora a mais dominante nos Estados Unidos.

Na terceira semana de dezembro de 2021, era responsável por mais de 73,2% dos novos casos de coronavírus, menos de três semanas após o primeiro caso ter sido relatado, de acordo com estimativas divulgadas segunda-feira (3) pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC).

A variante Delta representa os outros 26,6% dos casos.

De acordo com o CDC, qualquer pessoa com Ômicron “pode ​​transmitir o vírus a outras pessoas, mesmo que estejam vacinadas ou não apresentem sintomas”, diz o órgão.

Os primeiros estudos sugerem que a variante Ômicron pode causar doenças menos graves do que a variante Delta, que ainda é responsável por uma porção considerável dos casos de Covid-19 nos EUA.

Mas, como a Ômicron é muito mais contagiosa, o número bruto de hospitalizações por Covid-19 pode piorar, disse o especialista Anthony Fauci.

Veja imagens da Ômicron no mundo:

20% dos profissionais de saúde estão infectados

Como a cepa Ômicron é mais contagiosa, os hospitais estão entrando em colapso à medida que o inverno no hemisfério norte avança.

“O que está acontecendo no resto do país pode ser muito sério. E eles precisam estar preparados”, disse James Phillips, chefe de medicina do Hospital da Universidade de George Washington.

Até mesmo os profissionais de saúde estão ficando de quarentena devido à rápida ascensão da Ômicron nos Estados Unidos.

“Nosso sistema de saúde está em um lugar muito diferente do que estávamos nas ondas anteriores”, disse Choo.

“Esta cepa é tão contagiosa que acho que todos nós conhecemos muitos colegas que estão infectados ou apresentam sintomas e estão em quarentena”, aponta Choo.

“Perdemos pelo menos 20% de nossa força de trabalho de saúde, provavelmente até mais”, acrescentou.

As hospitalizações de crianças cresceram 66% 

Assim como milhões de alunos se preparam para voltar à escola, as novas hospitalizações pediátricas por Covid-19 atingiram um recorde.

Durante a semana encerrada em 28 de dezembro, uma média de 378 crianças foram internadas em hospitais todos os dias com coronavírus, de acordo com dados do CDC.

Isso representa um aumento de 66% em relação à semana anterior. Também quebra o recorde anterior de 342 estabelecido durante a ascensão da variante Delta no início do ano letivo.

Com a variante Ômicron se espalhando rapidamente, algumas escolas podem adiar o aprendizado pessoalmente, disse o pediatra e professor da Escola Nacional Medicina Tropical na Universidade de Medicina de Baylor, em Houston, Peter Hotez.

“Pode ser o caso em alguns distritos escolares, onde as coisas estão tão fortes agora, em termos de Ômicron, e continuará pelas próximas duas semanas. Pode ser sábio atrasar as coisas mais algumas semanas”, disse Hotez.

“Vai ser um momento muito desafiador”, aponta Hotez. “As pessoas terão que ser pacientes.”

Criança usando máscara em escola dos Estados Unidos
Criança usando máscara em escola dos Estados Unidos / Los Angeles Times via Getty Imag

Milhares de distritos irão retomar o ensino online

Os distritos escolares nos EUA diferem em seus planos de retornar as atividades após as férias nesta semana, já que o número de casos de Ômicron continua a aumentar.

Embora haja uma intenção generalizada de ter um aprendizado presencial, alguns distritos fecharam ou mudaram online em parte devido à falta de pessoal.

Outros estão atrasando o retorno para esperarem mais evidências.

Mais de 2.100 escolas em todo o país mudaram para o ensino remoto ou atrasaram seu retorno, de acordo com a empresa de dados Burbio, que adiciona informações de fechamento com base em calendários escolares e outras fontes.

Na Geórgia, pelo menos cinco grandes distritos escolares da área de Atlanta começarão as aulas remotamente esta semana.

Além disso, a variante Ômicron pode ser mais problemática para crianças, disse Scott Gottlieb, ex-comissário da agência reguladora dos Estados Unidos (FDA).

“Parece agora, com base em uma grande quantidade de evidências experimentais que obtivemos nas últimas duas semanas, que esta é uma forma mais branda do coronavírus”, disse Gottlieb à CBS no “Face the Nation” no domingo (2).

“Parece ser mais uma doença respiratória do trato superior do que uma doença respiratória inferior. Isso é bom para a maioria dos americanos. O único grupo que pode ser um problema, são as crianças, que têm problemas com infecções respiratórias superiores”, disse Gottlieb, um atual membro do conselho da Pfizer.

“Esta nova cepa pode ter uma predileção, novamente, pelo trato respiratório superior, o que poderia ser um desafio maior em crianças pequenas, devido à forma como se liga às células do trato respiratório.”

Ômicron não afeta apenas os centros de saúde, mas também o transporte

A Ômicron não reduz apenas o número de profissionais de saúde. À medida que o vírus se espalha pelas comunidades americanas, problemas pessoais já afetam partes da vida diária.

A Autoridade de Transporte Metropolitano (MTA) da cidade de Nova York anunciou na semana passada que várias linhas de metrô foram suspensas.

Em Ohio, o prefeito de Cincinnati declarou estado de emergência devido à falta de pessoas no corpo de bombeiros da cidade após um aumento nas infecções por Covid-19, dizendo no comunicado que se o problema não for resolvido, “prejudicaria substancialmente” os cidadãos.

Cuidados básicos ajudam a prevenir a Covid-19 e a gripe:

E em meio a uma movimentada temporada de Natal, milhares de voos foram cancelados ou atrasados ​​porque os funcionários e a tripulação disseram que estão doentes.

“Estamos vendo um aumento sem precedentes de pacientes novamente nesta pandemia”, alertou o James Phillips, da Universidade de Washington “O que está por vir para o resto do país pode ser muito sério e eles precisam estar preparados”.

17 vezes mais perigo para os não vacinados

Pessoas não vacinadas “têm 17 vezes mais probabilidade” de serem hospitalizadas com Covid-19, disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky, na última quarta-feira (29).

Cerca de 62% da população total dos EUA está totalmente vacinada e 33% deles receberam dose de reforço, mostram os dados do CDC.

Na verdade, o número de óbitos esta semana, subiu cerca de 18%, com uma média de 1.546 mortes por dia, de acordo com os dados.

E mais de 44 mil pessoas podem morrer de Covid-19 nas próximas quatro semanas, de acordo com uma previsão conjunta do CDC divulgada na semana passada.

Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

versão original

Mais Recentes da CNN