Coquetel contra Covid-19 usado por Trump tem custo elevado, diz infectologista

Rosana Richtmann explicou ainda que tratamento não está disponível no Brasil

Ouvir notícia

Diagnosticado com o novo coronavírus, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem sido submetido a um tratamento que inclui um coquetel de terapia experimental de anticorpos, que é feito pela empresa de biotecnologia Regeneron

À CNN, a infectologista Rosana Richtmann, do Instituto de Infectologia Emilio Ribas e do Grupo Santa Joana e membro da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), afirmou que trata-se de uma opção de custo elevado e difícil fabricação, além de indisponível no Brasil.

“Os anticorpos monoclonais nós não temos no Brasil, específico para a Covid-19. Temos para outras doenças e usamos. Costumam ser drogas seguras e com essa ação de poder fornecer uma proteção antes [da infecção]”, explicou ela. 

Por outro lado, a médica avaliou que, apesar do valor, o coquetel mostra vantagem na quantidade de doses necessárias. “Em geral, uma dose – ou, no máximo, duas – tem uma duração mais longa. Essa é uma vantagem, mas o custo é uma desvantagem”, pontuou.

Leia e assista também:

Remdesivir, anticorpos, oxigênio e mais: o que se sabe do tratamento de Trump
5 perguntas sobre o diagnóstico de Covid-19 de Donald Trump
‘Isso nunca deveria ter acontecido’: por dentro do ‘passeio’ de carro de Trump

O presidente dos EUA Donald Trump em vídeo publicado no Twitter
O presidente dos EUA Donald Trump em vídeo publicado no Twitter
Foto: Reprodução/Twitter (3.out.2020)

A médica criticou o “passeio” feito por Trump durante o final de semana. Internado no Centro Médico Militar Nacional Walter Reed, o presidente saiu de carro para acenar a apoiadores. 

“Como médica infectologista, achei essa cena estranhíssima. Estar em um ambiente totalmente fechado, sem ventilação e mesmo que a gente confie na máscara, sabemos que isso não é tudo”, disse.

Ele estava acompanhado de dois agentes do Serviço Secreto dos EUA, vestidos com aventais médicos, máscaras respiratórias e proteção para os olhos. Apesar dos itens de proteção, Rosana defendeu que eles correram risco de serem contaminados com a Covid-19.

(Edição: Leonardo Lellis)

Mais Recentes da CNN