Correspondente Médico: Como manter o equilíbrio emocional durante a pandemia?

Organização Mundial da Saúde afirma que nível de perigo global provocado pela Covid-19 ainda é elevado

Da CNN

Ouvir notícia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou no sábado (1º) que a pandemia do novo coronavírus será provavelmente “muito longa”. Seis meses depois de declarar a emergência internacional, o comitê de emergência da OMS destacou que “continua avaliando como muito elevado o nível de perigo global [provocado] pela Covid-19“.

Na edição desta terça-feira (4) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes abordou a importância sobre o equilíbrio emocional durante este período ‘longo’ de pandemia. “São notícias que mexem muito com a gente. Temos que entender que o nosso cérebro possui a parte racional e a emocional e ele não é solto e perdido neste emaranhado de sensações e sentimentos”, iniciou.

De acordo com o neurocirurgião, o cérebro humano funciona como uma balança com dois extremos: o emocional e a resolução de problemas. A partir deste equilíbrio, o cérebro poderá iniciar o processo de maturidade emocional.

Leia também:

Correspondente Médico: Como os adolescentes desenvolvem autonomia?

Situação da pandemia no Brasil ‘continua a ser de muita preocupação’, alerta OMS

“É cada vez mais importante procurar o equilíbrio. Quanto à maturidade emocional, se a pessoa teve uma vida cheia de ‘cicatrizes’, ela pode ter uma clareza sobre as decisões. No entanto, não é possível assegurar, pois varia de pessoa para pessoa. Uma criança, por exemplo, pode ter ainda mais clareza sobre algumas situações do que um adulto. Manter este equilíbrio durante o momento em que estamos vivendo é um desafio diário para a nossa inteligência emocional”, explicou.

O médico avaliou ainda que há fatores genéticos e sociais que influenciam as crianças para que possam desenvolver habilidades distintas e que promovem a construção da consciência e da maturidade.

“A própria criança se relaciona com outras de uma forma muito livre e vai aprendendo a lidar com este campo emocional. Cada pessoa acaba lidando com o emocional de formas diferentes”, finalizou o neurocirurgião.

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN