Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Covax Facility reduz previsão de recebimento de vacinas em 25% para 2021

    Restrições envolvendo exportador chave diminui expectativa de distribuição de doses. 'Ninguém está salvo até que todos estejam a salvo', diz nota conjunta de entidades

    Doses do imunizante chegarão ao país pelo consórcio Covax Facility
    Doses do imunizante chegarão ao país pelo consórcio Covax Facility Foto: Valentyn Ogirenko/Reuters (5.mar.2021)

    Giovanna Galvanida CNN*

    O Covax Facility, consórcio de compartilhamento de vacinas, receberá 1,425 bilhões de doses de imunizantes contra Covid-19 de países doadores ante uma estimativa de 2 bilhões de doses em 2021.

    As razões para o corte incluem restrições à exportação do fornecedor-chave, o Instituto Serum da Índia, afirmou a Gavi em uma declaração conjunta com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Unicef nesta quarta-feira (08).

    Problemas de fabricação na Johnson & Johnson e AstraZeneca, bem como atrasos na revisão regulatória de doses desenvolvidas pela empresa de biotecnologia norte-americana Novavax e a chinesa Clover Biopharmaceuticals, foram outros fatores limitantes.

    Até o momento, o Consórcio já entregou 240 milhões de doses para 139 países.

    Acesso à vacinação está em nível “inaceitável”

    Com a notícia da redução nas expectativas de recebimento das doses, o Covax Facility e as demais entidades clamaram em nota pela colaboração de países e farmacêuticas perante seus compromissos com a vacinação em massa.

    “Enquanto a pandemia de Covid-19 continua destruindo vidas e atrasando a recuperação econômica, nós persistimos em dizer que ninguém está salvo até que todos estejam a salvo”, escreveram.

    “Há apenas uma saída para o fim da pandemia e para a prevenção contra novas variantes mais fortes, e ela acontece com o trabalho em conjunto”, diz o texto.

    O Consórcio e os parceiros nomeiam a situação atual de acesso às vacinas como “inaceitável”: “apenas 20% das pessoas em países pobres ou de renda média receberam a primeira dose, em comparação com 80% de quem vive em países mais ricos”, enfatizaram.

    *Com informações da Reuters