Covid-19: Internação em UTI custa quase 2 mil vezes mais do que preço da vacina

No quadro Correspondente Médico, dr. Fernando Gomes explicou comparação de custos entre uma dose de vacina e a diária em hospital para pacientes graves de Covid-19

Da CNN*

São Paulo

Ouvir notícia

Na edição desta quarta-feira (1º) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes comparou o custo para a vacina com o de pacientes internados em estado grave por Covid-19.

Levantamento da CNN Internacional revela que, nos Estados Unidos, a média de gastos com hospitalização pela doença é cerca de 150 vezes maior que o preço de uma dose de vacina. No Brasil, a diferença pode chegar a quase 2 mil vezes, dependendo do imunizante.

O gasto diário de uma internação por Covid-19, no Sistema Único de Saúde (SUS), é de aproximadamente R$ 2.200. Já a média de tempo que uma pessoa fica em UTI é de 14 dias, o que equivale a cerca de R$ 31 mil.

Na comparação da diária em UTI com uma dose da vacina da AstraZeneca, por exemplo, que custa R$ 15,85, os gastos para tratar o paciente são 1.970 vezes maior do que o imunizante.

A CNN usou como base dados do Ministério da Saúde, da Planisa, uma organização que reúne instituições de saúde, e da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB).

“A gente sempre fala que saúde não tem preço, mas saúde tem custo”, disse Fernando Gomes. “Ao comparar o custo da vacina com o custo de uma internação, a medicina preventiva acaba sendo muito mais barata. Mas, é claro, que nem todas as pessoas que pegam coronavírus vão necessitar de um atendimento hospitalar”, destacou.

“No entanto, pelo custo individual de uma pessoa que precisou ir para a terapia intensiva, acaba sendo mais racional focarmos no processo de prevenção, que é a vacina. Isso mostra que a medicina preventiva é muito mais barata do que se tentar tratar ou curar uma pessoa já doente”, afirmou o médico.

No quadro Correspondente Médico, Fernando Gomes explicou a comparação entre valores da vacina e internação por Covid-19 / CNN Brasil (1.set.2021)

(*Com informações de Raphael Florêncio, da CNN, em São Paulo)
Publicado por André Rigue

Mais Recentes da CNN