Dados sobre ação de vacinas em variante da Covid-19 são esperados nesta semana

OMS espera que sejam divulgadas nesta semana análises sobre a eficácia ou não de vacinas contra a nova variante do coronavírus encontrada no Reino Unido

Andrew Miller, que trabalha na equipe de limpeza do Complexo de Saúde Bedford da Virgínia, recebeu vacina contra a Covid-19
Andrew Miller, que trabalha na equipe de limpeza do Complexo de Saúde Bedford da Virgínia, recebeu vacina contra a Covid-19 Foto: Cortesia de VA Bedford Healthcare System

Por Elizabeth Cohen, da CNN

Ouvir notícia

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o mundo deve conhecer nesta semana resultados de testes realizados por laboratórios que estudam se a variante do coronavírus identificada pela primeira vez no Reino Unido pode representar um desafio para as vacinas contra a Covid-19.

Cientistas no Reino Unido e de outros lugares coletaram sangue de pessoas que foram vacinadas. Eles agora, testam essas amostras para checar se os anticorpos criados pela vacina protegem contra a nova cepa, de acordo com Maria Van Kerkhove, líder técnica da OMS para resposta ao coronavírus.

Leia também:
Clínicas privadas brasileiras negociam compra de vacina da Índia
Como o Brasil monitora e rastreia novas cepas e mutações do vírus da Covid-19

As equipes também estão tirando sangue de pessoas que foram infectadas com a nova variante para avaliar como a vacina funciona contra ela, disse Van Kerkhove.

A Pfizer e a Moderna, fabricantes das duas vacinas autorizadas nos Estados Unidos, estão trabalhando para verificar se suas vacinas são eficazes contra as diferentes variantes do vírus.

Na quarta-feira, o Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA, disse que a resposta imunológica das vacinas deveria “muito provavelmente” proteger contra a nova variante.

A variante do Reino Unido tem 17 mutações, um número incomumente alto.

Cientistas também estão fazendo testes para avaliar a eficácia da vacina contra uma variante encontrada na África do Sul que tem 22 mutações, disse Van Kerkhove.

Mais Recentes da CNN