The Lancet: Vacina de Oxford contra Covid-19 gera resposta imunológica em idosos

Dados publicados na revista médica mostram boa resposta imunológica em idosos na fase 2; cientistas projetaram resultados da fase 3 em semanas

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford produziu uma forte resposta imunológica em idosos, mostraram dados do estágio intermediário de testes (fase 2) publicados nesta quinta-feira (19). Os pesquisadores esperam divulgar os resultados do estágio final (fase 3) dos testes até o Natal.

Os dados, relatados em parte no mês passado, mas publicados na íntegra na revista médica The Lancet nesta quinta-feira, sugerem que pessoas com mais de 70 anos – que tem maior risco de contrair doenças graves e morrer por Covid-19 – podem desenvolver imunidade robusta.

“As respostas robustas de anticorpos e células T vistas em pessoas mais velhas em nosso estudo são encorajadoras”, disse Maheshi Ramasamy, consultor e co-investigador principal do Oxford Vaccine Group.

“Esperamos que isso signifique que nossa vacina ajude a proteger algumas das pessoas mais vulneráveis da sociedade, mas mais pesquisas serão necessárias antes de termos certeza.”

Assista e leia também:
Pfizer oferece ao Brasil milhões de doses de vacinas no 1º semestre de 2021
Butantan terá 46 milhões de doses da Coronavac prontas em janeiro, diz diretor
Anvisa espera concluir certificação de fábricas de vacinas na China até janeiro

Além disso, na publicação no periódico científico pesquisadores ligados à vacina contra a Covid-19 disseram esperar ter resultados sobre a fase 3 dos testes “nas próximas semanas”.

O ensaio de fase 2 relatado no The Lancet envolveu um total de 560 voluntários saudáveis (160 com idades entre 18 e 55 anos, 160 com idades entre 56 e 69 anos e 240 com 70 anos ou mais).

Os testes em estágio final estão em andamento para confirmar as descobertas. Os primeiros dados de eficácia dos ensaios de fase 3 serão “possíveis nas próximas semanas”, diz o relatório.

Os voluntários receberam duas doses da vacina ou um placebo, e nenhum efeito colateral sério relacionado à vacina foi relatado, disseram os pesquisadores.

“As respostas robustas de anticorpos e células T vistas em pessoas mais velhas em nosso estudo são encorajadoras”, disse Maheshi Ramasamy, consultor e co-investigador principal do Oxford Vaccine Group.

Funcionária da Unifesp em local de teste de vacina contra Covid-19
Funcionária da Unifesp em local onde potencial vacina contra Covid-19 de Oxford está sendo testada
Foto: Amanda Perobelli/Reuters (24.jun.2020)

Assista e leia também:
Vacina própria da Fiocruz contra Covid-19 pode ter testes em humanos em 2021
Waack: evolução de vacinas contra Covid-19 está entre maiores feitos da ciência
Anvisa regulamenta análise mais ágil de vacinas contra Covid-19

“As populações com maior risco de desenvolver Covid-19 séria incluem pessoas com problemas de saúde existentes e adultos mais velhos. Esperamos que isso signifique que nossa vacina ajude a proteger algumas das pessoas mais vulneráveis ??da sociedade, mas mais pesquisas serão necessárias antes de nós pode ter certeza. “

A vacina candidata Oxford-AstraZeneca contra a Covid-19, chamada AZD1222 ou ChAdOx1 nCoV-19, esteve entre as pioneiras nos esforços globais para desenvolver imunizantes capazes de proteger contra o novo coronavírus.

O imunizante britânico foi por muito tempo considerado o mais avançado nas pesquisas, mas perdeu o posto recentemente para as farmacêuticas Pfizer Inc/ BioNTech e Moderna Inc, que nos últimos 10 dias divulgaram dados de testes em estágio final que mostram mais de 90% de eficácia.

Ao contrário das vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna, que usam a nova tecnologia conhecida como RNA mensageiro (mRNA), a injeção experimental da AstraZeneca é uma vacina de vetor viral feita a partir de uma versão enfraquecida de um vírus do resfriado comum encontrado em chimpanzés.

(Com informações da Reuters)

Mais Recentes da CNN