Em meio a polêmicas, governo prepara Plano Nacional de Vacinação contra Covid-19

A ideia é preparar o terreno para evitar que as pessoas deixem de se vacinar por causa do maior inimigo do coronavírus: a desinformação

Basília Rodriguesda CNN

Ouvir notícia


 

O Ministério da Saúde vai lançar um Plano Nacional de Vacinação contra o coronavírus para explicar às pessoas que elas não precisam ter medo da vacina. O plano deve ser divulgado até o fim deste mês, antes de a vacina ficar pronta.

A ideia é preparar o terreno para evitar que as pessoas deixem de se vacinar por causa do maior inimigo do coronavírus: a desinformação – que vem sendo alimentada, em parte, pela disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria.

Leia também:
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello recebe alta hospitalar
2/3 dos paulistanos discordam de veto de Bolsonaro à compra de vacina chinesa
Anvisa já autorizou importação de doses e insumos para Coronavac, diz secretário

A equipe técnica do Ministério da Saúde vem tocando o assunto, apesar de tentativas de interferência do próprio governo e de aliados. Em outubro, o acordo para a compra da Coronavac, a vacina chinesa, foi cancelado. Mas, apesar disso, a pasta sabe que voltará a enfrentar essa discussão, principalmente, se forem confirmadas as expectativas de que a chinesa ficará pronta antes das demais vacinas.

O plano não será sobre a origem da vacina, mas sobre o ato de se vacinar. Dividido em dez eixos, até aqui, o plano conta com um capítulo sobre comunicação.

Dentro dele, está prevista uma campanha para tirar dúvidas, esclarecer por que é importante se vacinar e como ocorre todo processo de vacinação. Se ainda assim, houver quem prefira não se vacinar, técnicos do governo afirmam que a vontade de cada um será respeitada – o que está em discussão no Supremo Tribunal Federal.

O secretário de vigilância em saúde, Arnaldo Medeiros, está à frente do plano. O ministro Eduardo Pazuello participou de algumas reuniões antes de ser diagnosticado com a Covid-19. Ele retoma a agenda de compromissos nesta semana.

Mais Recentes da CNN