Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Entenda por que importação da Sputnik V foi negada pela Anvisa 

    Fundo soberano da Rússia afirma que a agência agiu sob pressão política dos Estados Unidos; gerente do órgão nega

    Teo Cury, da CNN, em Brasília

    Em uma reunião extraordinária na segunda-feira (26), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou a importação da Sputnik V, vacina russa desenvolvida pelo Instituto Gamaleya contra a Covid-19. Ao todo, 14 governadores e dois prefeitos buscavam autorização para trazer o imunizante ao país.

    A decisão da Anvisa foi tomada com a recomendação de rejeição por parte das três gerências técnicas e o voto unânime dos cinco diretores que compõem a Diretoria Colegiada (Dicol). O principal ponto citado pelos técnicos da agência foi a identificação do que chamam de “adenovírus replicantes“, vírus que poderiam potencialmente se replicar e atingir órgãos e tecidos do corpo.

    Em nota e em entrevista coletiva, o presidente do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev, negou a existência de adenovírus replicantes, disse que a Sputnik V possui o melhor sistema de filtragem e ocorrência zero de casos de trombose.

    ‘Pressão política’

    O presidente do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev, demonstrou surpresa com a decisão e afirmou em coletiva de imprensa que a agência agiu sob uma suposta pressão política dos Estados Unidos.

    Em resposta ao RDIF, o gerente-geral de Medicamentos e Produtos Biológicos, Gustavo Mendes, disse que “o corpo técnico da Anvisa não está embasado em questões políticas, internacionais ou outras que não sejam a ciência”.

    Segundo Mendes, o principal motivo da Anvisa em não aprovar a vacina foi a falta de documentação consistente e confiável sobre o medicamento. “A pandemia exige critérios que sejam diferenciados, que considerem o risco-beneficio e a urgência da questão”, completou Mendes. 

    Eficácia da vacina

    O representante russo defendeu a segurança do imunizante, que já teve os dados de eficácia publicados na revista científica “The Lancet”. O Instituto Gamaleya de Pesquisa da Rússia aponta uma taxa de 91,6% em participantes nos ensaios clínicos das fases 1 e 2. A análise do estudo de fase 3 está em andamento. 

    De acordo com o fundo, devido à decisão da Anvisa o Brasil já não é mais uma prioridade para a negociação da vacina. Contudo, Dmitriev disse que conversou com os governadores brasileiros que se houver interesse no futuro lutará para a parceria ser mantida. Outra declaração do CEO foi de que o fundo apresentou mais documentos à agência do que outros 62 países.

    Frasco da Sputnik V, a vacina russa contra a Covid-19
    Frasco da Sputnik V, a vacina russa contra a Covid-19
    Foto: Sputnik V/Divulgação