Estudos associam a música com estímulo da memória e expressão da personalidade

Ouvir música com um significado especial estimula vias neurais no cérebro que ajudam a manter níveis mais altos para bom funcionamento

Estudos avaliaram a música como estímulo para atividade cerebral
Estudos avaliaram a música como estímulo para atividade cerebral Reprodução / Freepik

Ashley Stricklandda CNN*

Ouvir notícia

A música é uma ferramenta poderosa para acessar informações sobre nós mesmos. Dois estudos recentes estão oferecendo uma nova visão sobre como nossas músicas favoritas estão ligadas às nossas memórias e nossas personalidades — e como essas conexões podem melhorar a vida.

Ouvir uma música favorita, familiar ou “reminiscente” pode transportá-lo instantaneamente para outro momento de sua vida, trazendo de volta detalhes com uma clareza surpreendente. E não é apenas um sentimento fantasioso — há ciência por trás de como nossas mentes conectam música com memória.

Há muito tempo existe uma associação benéfica entre música e pacientes com Alzheimer ou demência.

 

Verificou-se que ouvir repetidamente música que é pessoalmente significativa melhora a adaptabilidade do cérebro em pacientes com doença de Alzheimer precoce ou comprometimento cognitivo leve.

Ouvir música com um significado especial estimulou as vias neurais no cérebro que os ajudaram a manter níveis mais altos de funcionamento, de acordo com Michael Thaut, autor sênior de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Toronto. Foi publicado no Journal of Alzheimer’s Disease em novembro.

Essas músicas tinham um significado único, como a música que as pessoas dançavam em seu casamento, e levaram a um aumento no desempenho da memória nos testes. As descobertas podem apoiar a inclusão da terapia baseada em música no tratamento de pacientes com deficiência cognitiva no futuro.

As mudanças foram mais notáveis ​​no córtex pré-frontal, conhecido como o centro de controle do cérebro, onde ocorre a tomada de decisões, a moderação do comportamento social, a expressão da personalidade e o planejamento do comportamento mental complexo.

Quando os pacientes ouviram uma música que era pessoal para eles, ela acionou uma rede neural musical conectando diferentes regiões do cérebro, com base em ressonâncias magnéticas feitas dos pacientes antes e depois de ouvir a música. Isso diferia de quando ouviam música nova e desconhecida, que apenas acionava uma parte específica do cérebro sintonizada para ouvir.

Havia apenas 14 participantes no estudo, incluindo seis músicos, e eles ouviram playlists especialmente selecionadas por uma hora por dia durante três semanas. Mas esses participantes são os mesmos de um estudo anterior que identificou os mecanismos neurais para preservar memórias relacionadas à música naqueles que experimentam declínio cognitivo precoce.

“Se você é um músico de longa data ou nunca tocou um instrumento, a música é uma chave de acesso à sua memória, seu córtex pré-frontal”, disse Thaut, que é diretor do Music and Health Science Research Collaboratory da Universidade de Toronto e professor da Faculdade de Música e da Faculdade de Medicina Temerty, em comunicado.

Ele também detém o Tier One Canada Research Chair em Música, Neurociência e Saúde. “É simples — continue ouvindo a música que você amou toda a sua vida. Suas músicas favoritas de todos os tempos, aquelas peças que são especialmente significativas para você — fazem disso o seu exercício cerebral.”

A pesquisa é um começo promissor que pode levar a aplicações de musicoterapia com um propósito mais amplo.

Também destaca outra conexão: a música e nossas personalidades.

Fãs de música afins

A música está relacionada ao nosso desejo de nos comunicar, contar histórias e compartilhar valores uns com os outros, e tem raízes profundas nas primeiras culturas humanas.

Então, talvez não seja surpresa que, como humanos, nós forjamos conexões e vínculos com certos gêneros ou estilos musicais como forma de nos expressar e transmitir nossas personalidades.

Um estudo recente abrangendo seis continentes com mais de 350 mil participantes mostrou que os tipos de personalidade estão ligados a certas preferências musicais.

Durante o estudo, pessoas de mais de 50 países relataram seu gosto por 23 gêneros musicais diferentes enquanto também completavam um questionário de personalidade.

Uma segunda avaliação também fez com que os participantes ouvissem breves clipes de música de 16 gêneros e subgêneros diferentes da música ocidental e os classificassem. O estudo foi publicado no Journal of Personality and Social Psychology em fevereiro .

A música caiu em cinco categorias principais de estilo. “Mellow” está associado ao soft rock, R&B e música adulta contemporânea, incluindo letras românticas e batidas lentas, enquanto “intenso” é música mais alta e mais agressiva, como punk, rock clássico, heavy metal e power pop.

As outras categorias incluíam “contemporâneo” (eletrônica otimista, rap, latim e euro-pop), “sofisticado” (clássico, ópera, jazz) e “despretensioso” (gêneros de música relaxante ou country).

As descobertas revelaram ligações diretas entre extrovertidos e música contemporânea, conscienciosidade e música despretensiosa, amabilidade e música suave ou despretensiosa. A abertura estava ligada à música suave, intensa, sofisticada e contemporânea.

Isso significa que músicas como “Shivers” de Ed Sheeran atraem extrovertidos, enquanto pessoas agradáveis ​​ficariam felizes ouvindo “What’s Going On” de Marvin Gaye.

Enquanto isso, as pessoas abertas tendem a gostar de Nina Simone ou do clássico “Space Oddity” de David Bowie. E todos esses tipos de músicas têm apelos que ultrapassam as fronteiras nacionais, de acordo com o estudo.

“Ficamos surpresos com o quanto esses padrões entre música e personalidade se replicaram em todo o mundo”, disse o autor do estudo David Greenberg, pesquisador associado honorário da Universidade de Cambridge e pós-doutorando na Universidade Bar-Ilan, em um comunicado.

“As pessoas podem estar divididas por geografia, idioma e cultura, mas se um introvertido em uma parte do mundo gosta da mesma música que os introvertidos em outro lugar, isso sugere que a música pode ser uma ponte muito poderosa. A música ajuda as pessoas a se entenderem e encontrarem terreno comum.”

Essas foram todas associações positivas, mas também encontraram uma conexão negativa entre consciência e música intensa.

“Pensamos que o neuroticismo provavelmente teria seguido uma das duas maneiras, preferindo música triste para expressar sua solidão ou preferindo música otimista para mudar seu humor. Na verdade, em média, eles parecem preferir estilos musicais mais intensos, o que talvez reflita a angústia interior e frustração”, disse Greenberg.

“Isso foi surpreendente, mas as pessoas usam a música de maneiras diferentes — algumas podem usá-la para purificar o espírito, outras para mudar seu humor. Vamos analisar isso com mais detalhes.”

Os pesquisadores reconhecem que o gosto musical não é imutável e pode mudar. Mas o estudo fornece uma base para entender como a música pode atravessar outras divisões sociais e unir as pessoas, disse Greenberg.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN