EUA autorizam terceira dose de vacina contra Covid-19 para transplantados

Receptores de transplantes de órgãos sólidos e pessoas imunocomprometidas são candidatas a receber terceira dose, devido ao risco maior de morte por Covid

Jacqueline Howard, da CNN

Ouvir notícia

A US Food and Drug Administration autorizou uma dose adicional da vacina contra Covid-19 para certas pessoas imunocomprometidas na quinta-feira (12). O FDA alterou a autorização de uso de emergência para as vacinas Pfizer / BioNTech e Moderna contra Covid-19 para permitir uma dose adicional para certas pessoas com sistema imunológico comprometido.

Esse grupo inclui “especificamente, receptores de transplantes de órgãos sólidos ou aqueles que são diagnosticados com condições que são consideradas como tendo um nível equivalente de imunocomprometimento”, escreveu a agência em um comunicado na quinta-feira.

 “O país entrou em mais uma onda da pandemia de Covid-19, e a FDA está especialmente ciente de que as pessoas imunocomprometidas estão particularmente sob risco de doença grave”, disse a comissária em exercício da FDA, Dra. Janet Woodcock, em um comunicado. “Após uma revisão completa dos dados disponíveis, o FDA determinou que este grupo pequeno e vulnerável pode se beneficiar de uma terceira dose das vacinas Pfizer-BioNTech ou Moderna.”

Atualmente, três vacinas contra o coronavírus estão autorizadas para uso emergencial nos Estados Unidos – a vacina de duas doses Pfizer / BioNTech para pessoas com 12 anos ou mais, a vacina de duas doses Moderna e a vacina de dose única Johnson & Johnson para pessoas com 18 anos ou mais.

Todos as três são usadas sob autorização de uso emergencial pelo FDA, mas a aprovação total está pendente para a vacina da Pfizer.

O Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização do CDC está programado para se reunir nesta sexta-feira (12) para discutir as doses de reforço das vacinas contra Covid-19 e doses adicionais para algumas pessoas imunocomprometidas, de acordo com uma agenda da reunião publicada online. O comitê também deve votar na sexta-feira sobre a recomendação de doses adicionais da vacina para pessoas imunocomprometidas.

Um estudo recente realizado por pesquisadores da Johns Hopkins descobriu que pessoas imunocomprometidas vacinadas têm 485 vezes mais probabilidade de acabar no hospital ou morrer de Covid-19 em comparação com a população geral que é vacinada.

Com base em uma estimativa do CDC, cerca de 9 milhões de americanos são imunocomprometidos, seja por doenças ou medicamentos que tomam.

“Dados emergentes mostram que certas pessoas que têm o sistema imunológico comprometido, como pessoas que fizeram um transplante de órgão e alguns pacientes com câncer, podem não ter tido uma resposta imunológica adequada a apenas duas doses da vacina Covid”, a diretora do CDC, Dra. Rochelle Walensky disse durante um briefing da Equipe de Resposta da Covid-19 da Casa Branca na quinta-feira. “Para ser claro, esta é uma população muito pequena. Estimamos que seja menos de 3% dos adultos.”

Dr. Anthony Fauci
O diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NAID), Dr. Anthony Fauci
Foto: Kevin Dietsch/Pool/Getty Images

Há meses se sabe que as vacinas Covid-19 podem não funcionar bem para esse grupo. A esperança era que as taxas de vacinação em geral fossem tão altas que o “rebanho” os protegesse. Mas não funcionou assim, porque cerca de um terço das pessoas elegíveis nos Estados Unidos não receberam nem mesmo uma dose da vacina contra Covid-19.

O FDA também recomenda que indivíduos imunocomprometidos mantenham outras precauções, incluindo distanciamento físico e uso de máscara.

“Além disso, os contatos próximos de pessoas imunocomprometidas devem ser vacinados, conforme apropriado para seu estado de saúde, para fornecer maior proteção a seus entes queridos”, de acordo com a declaração do FDA na quinta-feira.

Além disso, a FDA recomenda que as pessoas imunocomprometidas que contraem ou são expostas ao Covid-19, consultem seu médico sobre os tratamentos com anticorpos monoclonais.

‘Inevitavelmente, chegará um momento em que teremos que dar reforços’

Mesmo para pessoas saudáveis, alguns pesquisadores e autoridades de saúde disseram suspeitar que a imunidade contra a Covid-19 que as vacinas provocam no corpo pode diminuir com o tempo – possivelmente depois de um ano ou mais – e pode não proteger tão bem contra variantes do coronavírus que poderia surgir e evoluir.

Isso pode significar que uma pessoa vacinada precisaria de uma dose de reforço da vacina para permanecer protegida contra a cepa original do coronavírus e variantes emergentes – algo semelhante a um reforço contra o tétano que é recomendado a cada 10 anos ou diferentes vacinas contra a gripe são recomendadas a cada ano.

Mas para o público em geral, as autoridades de saúde dizem que estão monitorando os dados de perto para determinar quando uma distribuição de terceiras doses pode ser necessária de forma mais ampla.

“O importante a se destacar são as diferenças entre os imunocomprometidos, os que realmente nunca obtiveram uma boa resposta, e então para eles a vacinação seria mais para conseguirem, porque seu sistema imunológico comprometido nem sempre permite isso. Isso é diferente da durabilidade da resposta “, disse o Dr. Anthony Fauci, diretor do National Institutes of Health, a Craig Melvin da NBC no Today Show na quinta-feira.

“Nenhuma vacina, pelo menos não nesta categoria, terá uma quantidade indefinida de proteção”, disse Fauci.

“Inevitavelmente, chegará um momento em que teremos que dar reforços. O que estamos fazendo literalmente em uma base semanal e mensal é acompanhar grupos de pacientes para determinar se, quando e quem deve receber. Mas agora, neste momento, além do imunocomprometido, não vamos dar reforços às pessoas “, disse ele. “Mas vamos segui-los com muito cuidado e, se eles precisarem, estaremos prontos para dar a eles.”

A administração Biden deve estabelecer uma estratégia de reforço da vacina contra Covid-19 para todos os americanos vacinados em setembro.

John Bonifield e Kaitlan Collins da CNN contribuíram para este relatório.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês).

Mais Recentes da CNN