EUA vão oferecer reforço da vacina contra a Covid a partir de 20 de setembro

Inicialmente, essas doses de reforço são para as vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna

Jacqueline Howard, CNN

Ouvir notícia

Autoridades de saúde e especialistas médicos dos EUA anunciaram em uma declaração conjunta nesta quarta-feira (18) que doses de reforço da vacina contra Covid-19 serão oferecidas neste outono, sujeitas à autorização da Food and Drug Administration dos EUA e assinada pelos Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

“Estamos preparados para oferecer doses de reforço para todos os americanos a partir da semana de 20 de setembro e começando 8 meses após a segunda dose dos indivíduos”, disseram autoridades de saúde do país, incluindo a diretora do CDC, Rochelle Walensky, e a Comissária em exercício da FDA, Janet Woodcock, na declaração.

“Nesta data, os indivíduos que foram totalmente vacinados no início da implementação da vacinação, incluindo muitos profissionais de saúde, residentes de lares de idosos e outros idosos, provavelmente serão elegíveis para um reforço. Também começaremos os esforços para aplicar as doses de reforço diretamente para residentes de instituições de longa permanência nesta data, dada a distribuição de vacinas para essa população no início do lançamento da vacina e o aumento contínuo do risco que a Covid-19 representa para eles”, disse o comunicado.

Os funcionários destacam que as vacinas contra Covid-19, já autorizadas, são “notavelmente eficazes na redução do risco de doenças graves, hospitalização e morte, mesmo contra a variante Delta de ampla circulação”, mas está claro que a proteção contra o coronavírus começa a diminuir com o tempo.

O comunicado disse que “a proteção atual contra doença grave, hospitalização e morte pode diminuir nos próximos meses, especialmente entre aqueles que estão em maior risco ou foram vacinados durante as fases anteriores do lançamento da vacinação. Por esse motivo, concluímos que um reforço será necessária para maximizar a proteção induzida pela vacina e prolongar sua durabilidade.”

Além de Walensky e Woodcock, a declaração foi assinada pelo cirurgião Vivek Murthy; pelo diretor do Instituto Nacional de Saúde, Francis Collins; pelo diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, Anthony Fauci; pela Secretária Assistente de Saúde Rachel Levine; pelo chefe de Ciência Oficial para a Resposta da Covid, David Kessler, e pela presidente da Força-Tarefa de Equidade em Saúde da Covid, Marcella Nunez-Smith.

Embora essas doses de reforço iniciais sejam para as vacinas da Pfizer/BioNTech e Moderna, os funcionários observaram no comunicado que eles preveem que o reforço provavelmente será necessário para as pessoas que receberam inicialmente a vacina Johnson & Johnson.

“A administração da vacina J&J só começou nos EUA a partir de março de 2021, e esperamos mais dados sobre a J&J nas próximas semanas”, disse o comunicado.

Os funcionários finalizaram a declaração observando que eles continuam a expandir os esforços para aumentar o fornecimento de vacinas globalmente para outros países, “com base nas mais de 600 milhões de doses que já nos comprometemos a doar globalmente”.

(Texto traduzido. Clique aqui para acessar o original em inglês)

Funcionária de casa de repouso recebe dose da vacina contra Covid-19 em NY
Funcionária de casa de repouso recebe dose da vacina da Pfizer-BioNTech contra Covid-19 em Nova York
Foto: Yuki Iwamura – 4.jan.2021/Reuters

Mais Recentes da CNN