Fãs de café e chocolate amargo têm variação genética específica, diz estudo

A pesquisa da Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern descobriu que bebedores de café com a variante genética que reflete um metabolismo mais rápido da cafeína preferem o café amargo e preto

Christoph / Pixabay

Sandee LaMotteda CNN*

Ouvir notícia

Prefere seu café preto? Então você provavelmente gosta de chocolate amargo, de acordo com uma nova pesquisa que identificou uma base genética para essas preferências.

Se a resposta for sim, então parabéns — você é o sortudo vencedor genético de uma característica que pode lhe oferecer um impulso para uma boa saúde, de acordo com a pesquisadora de cafeína Marilyn Cornelis, professora associada de medicina preventiva na Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, em Chicago.

“Eu digo às pessoas que minha preferência é pesquisa sobre café”, disse Cornelis. “É um assunto quente.”

Por que quente? Como os estudos mostram que quantidades moderadas de café preto — entre 3 e 5 xícaras por dia – diminuem o risco de certas doenças, incluindo Parkinson, doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e vários tipos de câncer.

Mas esses benefícios provavelmente serão mais eficazes se o café estiver livre de todos os leites, açúcares e outros aromas de engorda que tendemos a adicionar.

“Sabemos que há evidências crescentes que sugerem que há um impacto benéfico do consumo de café na saúde. Mas lendo nas entrelinhas, qualquer pessoa aconselhando alguém a consumir café normalmente os aconselharia a consumir café preto devido à diferença entre consumir café preto e café com leite e açúcar”, disse Cornelis.

“Um é naturalmente livre de calorias. O segundo pode adicionar possivelmente centenas de calorias ao seu café, e os benefícios para a saúde podem ser bem diferentes”, acrescentou ela.

Um gene para o café

Em uma pesquisa anterior, Cornelis e sua equipe descobriram que uma variante genética pode contribuir para que algumas pessoas bebam várias xícaras de café por dia, enquanto outras não.

“Pessoas com o gene metabolizam a cafeína mais rápido, então os efeitos estimulantes passam mais rápido e eles precisam beber mais café”, disse ela.

“Isso poderia explicar por que alguns indivíduos ficam bem consumindo muito café em relação a outras pessoas que podem ficar nervosas ou muito ansiosas”, acrescentou ela.

Em um novo estudo publicado na Nature Scientific Reports, Cornelis analisou tipos mais precisos de amantes de café, separando os apreciadores do café preto dos amantes do creme e do açúcar.

“Descobrimos que os bebedores de café com a variante genética que reflete um metabolismo mais rápido da cafeína preferem o café amargo e preto”, disse Cornelis. “Nós também encontramos a mesma variante genética em pessoas que preferem chá puro ao chocolate amargo e adoçado em vez do chocolate ao leite.”

Alimentos amargos e aquele impulso mental

Mas aqui está uma reviravolta. Cornelis e sua equipe não acham que a preferência tenha algo a ver com o sabor do café ou chá preto puro. Em vez disso, ela disse, as pessoas com esse gene preferem café preto e chá porque associam o sabor amargo ao aumento do estado de alerta mental que desejam com a cafeína.

“Nossa interpretação é que essas pessoas equiparam o amargor natural da cafeína a um efeito de psicoestimulação”, disse Cornelis. “Eles aprendem a associar a amargura à cafeína e ao impulso que sentem. Estamos vendo um efeito aprendido.”

O mesmo se aplica à preferência do chocolate amargo em relação ao leite, acrescentou.

“Quando eles pensam em cafeína, eles pensam em um sabor amargo, então eles também gostam de chocolate amargo”, disse Cornelis. “É possível que essas pessoas sejam muito sensíveis aos efeitos da cafeína e também tenham esse comportamento aprendido com outros alimentos amargos.”

O chocolate amargo contém um pouco de cafeína, mas muito mais de um composto chamado teobromina, um conhecido estimulante do sistema nervoso relacionado à cafeína. Mas quanto mais não é melhor quando se trata de teobromina, descobriram estudos  — doses mais altas podem aumentar a frequência cardíaca e arruinar o humor.

O chocolate amargo também é cheio de calorias, então manter o consumo baixo é bom para a saúde. Ainda assim, estudos descobriram que mesmo uma pequena mordida no chocolate amargo por dia pode contribuir para a saúde do coração e reduzir o risco de diabetes.

Isso provavelmente ocorre porque o cacau contém muitos flavonóides — epicatequina e catequina — compostos antioxidantes que melhoram o fluxo sanguíneo.

Outros alimentos que contêm flavonóides incluem chás verdes, oolong e pretos; vinho tinto; couve; cebolas; bagas; frutas cítricas e soja.

Estudos futuros tentarão lidar com a preferência genética por outros alimentos amargos, disse Cornelis, “que geralmente estão ligados a mais benefícios à saúde”.

“Isso pode mostrar que indivíduos geneticamente predispostos a consumir mais café também estão envolvidos em outros comportamentos potencialmente saudáveis”, disse ela.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN