Fazer cocô apenas a cada 3 ou mais dias está relacionado ao declínio cognitivo, aponta pesquisa

Segundo os autores do estudo, intervalos fora do comum para evacuar é associado a um risco de 73% para o desenvolvimento de declínio cognitivo

Rolos de papel higiênico amontoados
Rolos de papel higiênico amontoados Colourblind Kevin/ Unsplash

Kristen Rogersda CNN

Na primeira pesquisa a observar o impacto da constipação no cérebro envelhecido, os cientistas encontraram algumas ligações preocupantes.

Ser constipado cronicamente, definido pelos autores como ter uma evacuação apenas a cada três ou mais dias, foi associado a um risco 73% maior de declínio cognitivo subjetivo, de acordo com pesquisa apresentada na quarta-feira na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer em Amsterdã.

“Nosso estudo forneceu evidências inéditas que examinaram um amplo espectro de frequência de evacuação”, disse o Dr. Chaoran Ma, primeiro autor da pesquisa e professor assistente do departamento de nutrição da Universidade de Massachusetts Amherst, por e-mail. . “Ficamos surpresos com a força das associações, especialmente para aqueles com movimentos intestinais pouco frequentes”.

 

 

Cerca de 16% da população adulta mundial sofre de constipação, mas é ainda mais comum entre os idosos devido a fatores relacionados à idade, como falta de exercícios e fibras alimentares e o uso de medicamentos que podem causar constipação como efeito colateral.

A constipação crônica tem sido associada à inflamação e distúrbios mentais, como ansiedade e depressão , mas há muitas perguntas sem resposta sobre a relação entre a saúde digestiva e a função cognitiva de longo prazo, de acordo com um comunicado à imprensa.

A função cognitiva refere-se à capacidade mental de uma pessoa para aprender, pensar, raciocinar, resolver problemas, tomar decisões, lembrar e prestar atenção.

Para encontrar pistas para essas questões, os autores avaliaram mais de 112.000 adultos que participaram do Nurses’ Health Study, do Nurses’ Health Study II e do Health Professionals Follow-Up Study. Os dois primeiros estudos investigaram os fatores de risco para as principais doenças crônicas entre as mulheres na América do Norte, enquanto o último estudo está analisando os mesmos tópicos, mas para os homens. Os autores da pesquisa mais recente coletaram dados sobre a frequência de evacuação dos participantes de 2012 a 2013, autoavaliações da função cognitiva dos participantes entre 2014 e 2017 e detalhes sobre a função cognitiva medida objetivamente de alguns participantes entre 2014 e 2018.

Em comparação com pessoas que faziam cocô uma vez por dia, os participantes constipados tinham uma cognição significativamente pior, equivalente a três anos a mais de envelhecimento cognitivo cronológico, descobriram os autores. Maior risco também foi encontrado entre aqueles que fizeram cocô mais de duas vezes ao dia, embora essas chances maiores fossem pequenas.

“Quanto mais aprendemos sobre o acesso intestino-cérebro, mais entendemos que é tão importante garantir que (prevenir ou abordar o declínio cognitivo) seja uma abordagem sistêmica”, disse Maria C. Carrillo, diretora científica da Alzheimer’s Association , que não participou da pesquisa. “O cérebro não está completamente isolado do que está acontecendo no seu fluxo sanguíneo.”

Movimentos intestinais e o cérebro

Esta pesquisa não foi “projetada para testar a relação causal entre os movimentos intestinais, o microbioma intestinal e a saúde cognitiva, por isso não podemos tirar conclusões firmes sobre a sequência causal precisa subjacente a essa associação”, disse Ma.

Mas a frequência da evacuação e a função cognitiva subjetiva também foram ligadas aos microbiomas intestinais dos participantes, descobriram os autores. Entre aqueles com movimentos intestinais pouco frequentes e pior função cognitiva, houve uma depleção de boas bactérias que produzem butiratos, ácidos graxos que sustentam a barreira intestinal que impede que bactérias e outros micróbios entrem na corrente sanguínea, de acordo com a Cleveland Clinic .

Os butiratos também ajudam significativamente na saúde digestiva, fornecendo a principal fonte de energia para as células do cólon. Eles podem ser encontrados em alimentos ricos em fibras, suplementos de fibras, prebióticos e laticínios integrais – consumidos com moderação – como manteiga, queijo, leite ou ghee. Ghee é manteiga clarificada , feita isolando a gordura da manteiga pura dos sólidos do leite e da água na manteiga.

Aqueles que faziam cocô duas vezes ou mais por dia e tinham pior função cognitiva tinham uma quantidade maior de espécies que promovem inflamação e estão relacionadas à disbiose, um desequilíbrio nos micróbios intestinais associado à doença.

Outra pesquisa apresentada na mesma conferência na quarta-feira teve resultados semelhantes. Em um resumo de 140 adultos de meia-idade, ter níveis mais baixos de bactérias intestinais neuroprotetoras Butyricicoccus e Ruminococcus foi associado a níveis elevados de biomarcadores da doença de Alzheimer.

Em outro, de mais de 1.000 adultos, aqueles com baixa cognição tinham quantidades anormalmente altas das bactérias Alistipes e Pseudobutyrivibrio em comparação com outros participantes. A bactéria Alistipes já foi associada à ansiedade, síndrome da fadiga crônica, depressão e hipertensão.

“Faz sentido que os indivíduos que estão tendo esses movimentos com muito menos frequência tenham menos bactérias boas e mais bactérias ruins causadas por condições inflamatórias”, disse Carrillo.

“Mais estudos são necessários para identificar os micróbios envolvidos e sua função”, disse Ma sobre sua pesquisa.

Em relação à saúde neurológica e digestiva, “uma boa alimentação não apenas alimenta nosso cérebro, mas também promove movimentos intestinais saudáveis”, disse Carrillo.

Comer bastante fibra de vegetais, frutas, grãos integrais e nozes pode prevenir a constipação. A ingestão total de fibras deve ser de pelo menos 25 gramas por dia, de acordo com a Food and Drug Administration dos EUA . E ser suficientemente hidratado amolece as fezes para que você possa eliminá-las sem esforço.

Exercitar-se pelo menos algumas vezes por semana e controlar o estresse também pode ajudar

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original