Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Fiocruz vira referência na análise de amostras de suspeitas de varíola dos macacos

    Laboratório de Enterovírus ficará responsável por analisar as amostras suspeitas de monkeypox do Rio de Janeiro e do Nordeste

    Laboratório de Enterovírus da Fundação Oswaldo Cruz
    Laboratório de Enterovírus da Fundação Oswaldo Cruz Max Gomes/IOC/Fiocruz

    Iuri Corsinida CNN

    No Rio de Janeiro

    O Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) será o responsável por analisar as amostras suspeitas de infecção de varíola dos macacos que forem provenientes do estado do Rio de Janeiro e de toda a região Nordeste do país. A designação ocorreu após a instituição ter sido nomeada, nesta quarta-feira (15), como Laboratório de Referência do Ministério da Saúde em varíola dos macacos.

    Agora o IOC se juntará a outros três centros de referência em diagnóstico laboratorial do país, que são a Fundação Ezequiel Dias, o Instituto Adolfo Lutz e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), por meio dos laboratórios de Biologia Molecular de Vírus e de Virologia Molecular.

    Nesta quarta-feira, o Brasil confirmou mais dois casos de varíola dos macacos. Entre eles, o primeiro no estado do Rio de Janeiro. Além deste, há outros três casos em São Paulo e um no Rio Grande do Sul. Nenhuma morte foi registrada em decorrência da doença no país até o momento. O caso no Rio foi detectado na terça-feira (14) pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBCCF/UFRJ).

    O Laboratório de Enterovírus do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que tem 60 anos de atuação, é dedicado ao estudo da poliomielite e de meningites virais. O laboratório também atua na vigilância virológica das paralisias flácidas agudas, das meningites assépticas e das meningoencefalites.

    O IOC também realizou, nos dias 9 e 10 de junho um curso com chancela da Organização Mundial da Saúde (OMS) para treinamento em diagnóstico laboratorial para detecção da varíola. Participaram das atividades, na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro, profissionais de outros sete países da América Latina.

    A varíola dos macacos é uma doença infectocontagiosa encontrada principalmente nas regiões ocidental e central da África. A transmissão da patologia ocorre por meio de contato direto com uma pessoa infectada que apresente lesões na pele, ou por gotículas de saliva.

    Os sintomas iniciais são semelhantes aos da gripe, como febre, calafrios, exaustão, dor de cabeça e fraqueza muscular, seguidos de inchaço nos gânglios linfáticos, que ajudam o corpo a combater infecções e doenças.

    Com informações de Lucas Rocha, da CNN.