Google: brasileiro ficou mais em casa em abril, mas começa a voltar ao trabalho

No Brasil, também aumentou a frequência nos parques; EUA e Austrália tiveram diminuição no cumprimento da quarentena

Reuters

Ouvir notícia
São Paulo, transporte público, COVID-19
Usuários de transporte público e motoristas de ônibus utilizam máscaras de proteção na rua da Consolação, em São Paulo (29.abr.2020)
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Mais pessoas ficaram em casa no Brasil, Japão e Singapura em abril, durante aumento de novos casos de COVID-19 nestes países, enquanto pessoas nos Estados Unidos voltaram aos parques e empregos, mesmo sem que as taxas de infecção diminuíssem, apontam dados do Google.

No mundo, a atualização semanal mais recente dos padrões agregados de viagem que o Google coletou de telefones de seus usuários apontou para um aumento da desobediência a determinações de isolamento em vigor desde março.

Os dados, publicados online pela unidade da Alphabet no final da quinta-feira (30), compararam o deslocamento diário — a locais de comércio e lazer, parques, estações de trem e ônibus, supermercados e locais de trabalho — nos últimos sete dias com a média do período entre 3 de janeiro e 6 de fevereiro.

As tendências foram variadas no Brasil, onde o vírus começou a aparecer em bairros ricos e se transferiu para as favelas. A queda nas visitas a bares, cinemas e locais semelhantes ficou estável no final de abril, mas as idas aos locais de trabalho e parques voltaram a subir.

Recomendações de isolamento permanecem em vigor no Brasil, embora o presidente Jair Bolsonaro tenha classificado repetidamente essas medidas como extremas.

Singapura

Aparentemente, Singapura controlou a propagação do vírus por meio de rastreamento e vigilância rigorosos de contatos. O Estado-nação entrou em confinamento em 7 de abril, após surto em dormitórios de trabalhadores imigrantes.

As visitas a lojas e parques em Singapura caíram cerca de 25% no primeiro final de semana de abril. Já no último final de semana do mês, a queda foi de 70%. O comparecimento ao local de trabalho, que diminuiu apenas 20% no início de abril, caiu quase 70% na semana passada.

Leia também:
Estão brincando com assunto sério, diz juiz que determinou lockdown no Maranhão
Entenda a diferença entre isolamento social e lockdown

Japão

Líderes no Japão, que declarou estado de emergência em 7 de abril, fizeram um apelo para que as pessoas fiquem em casa.

O deslocamento para locais em Tóquio, medido pelo Google, caiu pela metade após a declaração e permaneceu nesses níveis até o final de semana passado. Os novos casos diários em Tóquio caíram desde que atingiram o pico de 201 em 17 de abril.

EUA e Austrália

As autoridades dos EUA alertaram contra o retorno ao normal muito cedo. Dados do Google mostraram que o tráfego para os locais de trabalho estava subindo novamente. O índice caiu apenas 48% em relação à linha de base na sexta-feira passada (24), depois de cair 56% em 10 de abril. Os estados do Sul e Centro-Oeste estavam liderando o caminho na retomada de padrões mais típicos.

As viagens nacionais aos locais de varejo e recreação caíram 63% em 12 de abril, mas apenas 42% duas semanas depois. Governadores começaram a flexibilizar os bloqueios na última semana, mesmo sem uma desaceleração contundente do vírus.

Na Austrália, as visitas a locais de trabalho e de entretenimento caíram 80% em meados de abril, mas se recuperaram no final de abril, quando a taxa de novos casos se estabilizou.

Mais Recentes da CNN