Homem cego tem a visão parcialmente restaurada por novo tratamento após 40 anos

Terapia optogenética e o desenvolvimento de óculos especiais possibilitaram que homem enxergasse faixas de trânsito e alguns outros objetos

Homem é capaz de identificar faixas de trânsito e alguns objetos após estudo
Homem é capaz de identificar faixas de trânsito e alguns objetos após estudo Foto: Sahel, J.A. Boulanger-Scemma, E. Pagot, C. et AL./Nature Medicine

Amy Woodyatt,

da CNN

Ouvir notícia

Um homem cego teve sua visão parcialmente restaurada usando terapia optogenética e óculos especiais – o primeiro caso de sucesso deste tipo de terapia em humanos.

Pesquisadores fizeram um tratamento com um homem de 58 anos que sofre há 40 anos de retinite pigmentosa – uma doença neurodegenerativa que atinge os olhos e causa a perda de fotorreceptores, possivelmente levando à cegueira completa.

A retinite pigmentosa muda a forma como a retina responde à luz. Pessoas com essa condição perdem a visão lentamente ao longo do tempo, de acordo com a Academia Americana de Oftalmologia.

Os cientistas usaram uma forma de terapia genética para reprogramar células na retina, injetando um vetor viral e tornando-o fotossensível. “Na terapia optogenética…criamos uma camada fotossensível artificial sobre a retina cega”, disse o pesquisador Botond Roska, professor na faculdade de ciência da Universidade de Basel, em uma coletiva de imprensa.

Meses depois da injeção, pesquisadores equiparam os pacientes com óculos especiais que detectam mudanças na intensidade da luz e projetam pulsos de luz correspondentes nos olhos para ativar as células tratadas.

Apesar de o paciente não conseguir reconhecer rostos ou ler após o tratamento, ele foi capaz de perceber, localizar, contar e tocar objetos usando somente os olhos enquanto usava o óculos, disseram os pesquisadores em um estudo publicado na segunda-feira (24) no periódico Nature Medicine.

Antes do tratamento, o paciente não conseguia ver nada ainda que usasse os óculos. Mas meses após a injeção, o homem podia ver as linhas brancas de faixas de pedestres, detectar objetos como pratos, canecas e celulares, e identificar a mobília em uma sala ou uma porta em um corredor com eles.

“Inicialmente o paciente não conseguia ver nada com o sistema, e obviamente isso deve ter sido frustrante. E então, espontaneamente, ele começou a ficar muito animado, relatando que conseguia ver linhas brancas nas ruas”, afirmou José-Alain Sahel, professor de oftalmologia na Escola de Medicina na Universidade de Pittsburgh e no Instituto de Visão em Paris, na coletiva.

Cientistas também identificaram que o comportamento visual é compatível com a atividade cerebral registrada. Ele foi o primeiro paciente no primeiro coorte do estudo que conseguiu ser treinado antes da eclosão da pandemia da Covid-19, que interrompeu o estudo temporariamente.

“Um marco significativo”

“A retinite pigmentosa é uma das causas mais comuns de cegueira em pessoas jovens e resulta da perda de células fotorreceptoras na retina, no fundo dos olhos”, disse o professor de oftalmologia na Universidade de Oxford, Robert MacLaren, ao Centro de Mídia Científica em Londres.

“Nesse teste os cientistas usaram a terapia genética para tentar reprogramar outras células na retina para torná-las sensíveis à luz e então restaurar algum grau de visão. Esse é um marco significativo e indubitavelmente ajustes futuros de refinamento tornarão a terapia optogenética uma opção para muitos pacientes no futuro”, MacLaren, que não está ligado ao estudo, acrescentou.

James Bainbridge, professor de estudos da retina na Universidade de Londres, disse que a tecnologia “pode ajudar pessoas que possuem a visão severamente prejudicada”.

“É um estudo de alta qualidade. É conduzido de modo cuidadoso e controlado. Os resultados são baseados em testes laboratoriais em apenas um indivíduo. Trabalhos futuros são necessários para descobrir se a tecnologia poderá prover visão útil”, disse Bainbridge, não envolvido no estudo, ao Centro de Mídia Científica.

Mais Recentes da CNN