#CNNPop

Instante raro: mulher dá à luz gêmeos e um dos bebês nasce empelicado

Jaqueline Melo Oliveira, de 43 anos, deu à luz a Bernardo e Rafael em um Hospital de Salvador; Normalmente, essa bolsa estoura quando o bebê está perto do nascimento, por isso é considerado um evento incomum

Bebê nasce empelicado
Bebê nasce empelicado Renata Casali

Brenda Mendescolaboração para a CNN

São Paulo

Um parto que aconteceu na última segunda-feira (1º) no Hospital Português, em Salvador, chamou bastante atenção. Bernardo Oliveira Ribeiro nasceu empelicado, deixando os obstetras e a fotógrafa encantados.

O bebê nasceu envolto pela bolsa amniótica que o alimenta e o protege durante toda a gestação. Normalmente, essa bolsa estoura quando o bebê está perto do nascimento, por isso é considerado um parto raro.

Jaqueline Melo Oliveira, de 43 anos, deu à luz Bernardo e Rafael em um parto gemelar. Rafael nasceu com 2,255 kg e 49 cm, enquanto Bernardo nasceu com 45 cm e 3,5kg. Os dois são frutos de um processo de fertilização.

A fotógrafa Renata Casali, que trabalha registrando partos há oito anos, falou sobre a imagem do nascimento de Bernardo. Apesar de já ter acompanhado partos empelicados, ela disse que esse foi diferente.

“Já acompanhei alguns partos empelicados antes, mas esse ficou realmente especial. O posicionamento do bebê ajudou bastante e os obstetras também. Eu achei a foto muito linda. É um momento muito rápido para ser registrado.”, contou Renata.

Bebê empelicado / Renata Casali

A mãe não pôde ver o parto na hora do nascimento por conta do tecido que separava a equipe médica da paciente, mas quando viu as imagens ficou muito encantada, segundo a fotógrafa.

“Na sala de parto todos ficaram encantados, mas principalmente depois que receberam a fotografia. Eu fico muito feliz quando a fotografia agrada meus olhos e principalmente os da família”, disse ela.

“Desde que registrei meu primeiro parto em 2015 encontrei a vocação. Me apaixonei. De lá pra cá, vi centenas de bebês nascerem. O que dá ‘raridade’ ao momento é que o registro que pouco acontece ficou muito bonito. Partos empelicados acontecem, mas são mais raros”, completou Renata.

Bebê empelicado / Renata Casali