Internações por Covid-19 dobram no estado de São Paulo em dezembro

Taxa de ocupação de leitos de UTI por Covid-19 aumentou e passou de 25%

Raquel LandimVital Netoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

As internações por Covid-19 dobraram no Estado de São Paulo no mês de dezembro. Na última quarta-feira, dia 29, foram registradas 664 novas hospitalizações, alta de 106% em relação ao início do mês. Os dados são do governo paulista.

Não se trata de um registro pontual. A média móvel diária de hospitalizações dos últimos sete dias em relação ao período imediatamente anterior também saiu de 290 no início do mês para 499 – aumento de 72%.

Com mais internações, a taxa de ocupação de leitos de UTI por Covid-19 aumentou. No Estado, passou de 21,5% em 1º de dezembro para 25,2% na quarta-feira. Na Grande São Paulo, que reúne o maior número de casos, chegou a 31,4%.

Para os especialistas, pode ser um sinal do avanço da variante ômicron, mais contagiosa, no país. Desde o ataque hacker no início do mês, os sistemas de informações públicas do ministério da Saúde estão instáveis e não refletem com rigor os números de novos casos.

Sem esses dados, as internações em São Paulo dão pistas do que pode estar acontecendo no país. Também chamou atenção a corrida das populações às farmácias nesse fim de ano à procura de testes de Covid-19.

Segundo a Abrafarma, que reúne redes de farmácia, o porcentual de positividade dos testes deu um salto nos últimos dias. No dia 17 de dezembro, 6,7% dos testes realizados no país acusavam o vírus da covid-19. Ontem, esse percentual chegou a 20,5%.

Os especialistas em saúde pública estão preocupados com a ausência de dados mais detalhados sobre o avanço da ômicron no país. “Estamos completamente às cegas, sem poder auxiliar na análise de situação”, diz Marcelo Gomes, coordenador do Infogripe.

Veja gráficos sobre o aumento de casos de Covid:

A secretária de Saúde do Estado de São Paulo informou que mantém o monitoramento da epidemia e que as taxas de ocupação atuais estão muito abaixo dos picos de março deste ano, quando chegaram a ultrapassar 90%. E ressaltou a importância das medidas preventivas como uso de máscara, higienização das mãos e vacinação.

O Ministério da Saúde negou falta de dados para o combate à doença e disse que todos os números vêm sendo registrados pelos Estados em seus sistemas internos. A pasta informou ainda que a plataforma Open Data SUS, que é acessada por especialistas e pela população em geral, deve voltar a ficar disponível na semana que vem.

Cuidados básicos ajudam a prevenir a Covid-19 e a gripe:

Mais Recentes da CNN