Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Jeito de andar pode revelar muito sobre sua saúde

    A velocidade e as características da marcha podem indicar problemas de saúde, lesões e riscos futuros; entenda

    A forma como uma pessoa caminha pode trazer indicativos sobre sua saúde geral
    A forma como uma pessoa caminha pode trazer indicativos sobre sua saúde geral Pexels/Andrea Piacquadio

    Melanie Radzicki McManuscolaboração para a CNN

    O andar exagerado de uma modelo de passarela está longe de ser o jeito que as pessoas comuns andam. No entanto, cada um se move de uma forma única e essa maneira de andar pode dizer muito sobre sua saúde no geral.

    A marcha é a maneira como você anda. Embora a marcha de cada pessoa seja diferente, você pode desenvolver uma marcha anormal devido a doenças, lesões, genética ou problemas nas pernas ou nos pés. A marcha anormal é caracterizada por movimentos irregulares, como arrastar os pés, andar na ponta dos pés ou cruzar as pernas ao caminhar.

    A velocidade com que você anda também pode ser um indicador da sua saúde. Na verdade, está se tornando um dos sinais vitais, junto com a temperatura corporal, pulso, respiração, pressão arterial e saturação de oxigênio.

    Os sinais vitais fornecem informações críticas para avaliar e prever o seu estado de saúde e permitir uma intervenção proativa para mantê-lo o mais seguro e saudável possível.

    A seguir, veja por que, segundo os especialistas, pode ser benéfico que sua marcha seja analisada por um profissional de saúde.

    O que a análise da marcha pode revelar sobre sua saúde

    A avaliação da marcha pode prever atrasos motores grosseiros (capacidade de realizar grandes movimentos gerais) em crianças, risco de quedas em idosos e, quando associado ao comprometimento cognitivo, risco de demência.

    Além disso, uma marcha lenta pode ser um sinal de mortalidade prematura, doença cardiovascular ou câncer, de acordo com uma meta-análise publicada no Journal of the American Medical Directors Association, em julho de 2018.

    A meta-análise abrangeu 44 estudos com um total combinado de 101.945 participantes.

    Análise de marcha para desempenho físico e esportivo

    Quando se trata de esportes e preparo físico, as análises da marcha podem indicar a probabilidade de lesões, problemas mecânicos que precisam ser resolvidos e quando você estará pronto para retomar a atividade após uma lesão ou cirurgia.

    “Para pessoas que sofreram certas lesões, uma análise da marcha pode nos ajudar a corrigir a mecânica que pode causar sua recorrência”, diz Bryan Heiderscheit, professor de ortopedia da Universidade de Wisconsin-Madison e diretor do Badger Athletic Performance em Madison.

    Essas lesões estão frequentemente relacionadas ao estresse ósseo, dor no joelho, dor no quadril e tendinopatia de Aquiles, disse o especialista. Essa última é uma condição dolorosa do tendão de Aquiles, frequentemente causada por uso excessivo.

    Segundo especialistas, uma análise profissional também pode indicar ineficiências de movimento que, uma vez corrigidas, podem melhorar a velocidade de corrida, o jogo de raquetebol e até mesmo o swing de golfe. Mas esteja preparado para trabalhar após a análise.

    “A marcha não é algo que pode ser corrigido instantaneamente”, diz Heiderscheit. “Não é tão simples quanto dizer: ‘Ande de maneira diferente’. Você pode andar de uma certa forma porque um músculo da panturrilha tem metade do tamanho do outro, e a única maneira de corrigir isso é concentrando-se em determinados exercícios.”

    A evolução da análise da marcha

    Os profissionais de saúde analisam a marcha de diferentes maneiras, e o tipo de análise mais adequado para você dependerá do problema que está tentando resolver.

    Alguns testes são tão simples quanto pedir a um especialista, geralmente um fisioterapeuta, para observar o paciente se levantar da posição sentada, caminhar uma certa distância e sentar-se novamente, explica Heiderscheit. O especialista medirá a qualidade do movimento e o tempo que leva para ser feito. Os idosos geralmente têm seis minutos para caminhar o máximo que puderem.

    Laboratórios clínicos como o de Heiderscheit são equipados com esteiras conectadas a câmeras e sensores que capturam e recriam seus movimentos. Mas alguns pacientes são orientados a correr ao ar livre, com sensores acoplados, especialmente se tiverem dificuldade para correr ou mudar de direção enquanto correm.

    Recentemente, a inteligência artificial também monitora o progresso das pessoas. Um exemplo é o OneStep, uma plataforma digital de saúde que os profissionais de saúde podem utilizar com os seus pacientes. As pessoas baixam o aplicativo OneStep em seus telefones e os colocam no bolso. O aplicativo rastreia continuamente seus movimentos, que podem ser facilmente revisados ​​por especialistas.

    “Observamos a velocidade da marcha, a cadência – o número de passos por minuto -, a variabilidade na velocidade e cadência da marcha, o comprimento do passo, o tempo que ambos os pés permanecem no chão, a postura, etc.”, explica Stephanie Wakeman, fisioterapeuta e diretora do operações clínicas da OneStep.

    Além de permitir que os profissionais de saúde acompanhem o progresso da recuperação ou da fisioterapia de uma pessoa, o dispositivo, incluído na lista da FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora dos Estados Unidos, pode alertá-los sobre outros problemas potencialmente graves, explica Wakeman.

    “Se alguém tem uma velocidade de caminhada muito lenta, mas sua cadência é muito alta, seus passos são muito curtos e seu tempo de duplo apoio é muito alto, essa combinação pode sugerir uma marcha arrastada, que está associada à doença de Parkinson.” Wakeman disse . “Não é um preditor absoluto, mas pode alertar um médico.”

    Uma paciente estava usando o OneStep fielmente, além de fazer alguns exercícios solicitados pelo fisioterapeuta, quando seu terapeuta percebeu que a velocidade de caminhada e as sessões de exercícios diminuíram abruptamente, disse Wakeman.

    A terapeuta veio verificar se ela estava bem e descobriu que ela estava deprimida após a morte de um amigo próximo. “Então o fisioterapeuta a colocou em contato com alguém para conversar sobre sua dor”, disse Wakeman.

    “Ele conseguiu uma intervenção que ela não teria de outra forma. Esse é apenas um exemplo de como isso pode ajudar.”

    Quando analisar seu progresso

    Se você tiver uma lesão ou dor que suspeita estar relacionada à sua marcha, pode ser útil agendar uma análise da marcha com um fisioterapeuta, pois eles são especialistas em problemas de movimento corporal. Geralmente, o seguro deve cobrir o custo.

    Mas se você estiver interessado na análise da marcha para melhorar seu desempenho atlético ou prevenir lesões, talvez seja necessário pagar do próprio bolso. Esses testes podem custar US$ 100 (cerca de R$ 500) ou mais, dependendo da duração da sessão, do equipamento utilizado e de outras variáveis.

    Mesmo que você tenha que pagar por uma análise, pode valer a pena.

    Caminhe desta forma

    Quer você seja um atleta experiente ou um caminhante amador, tanto Heiderscheit quanto Wakeman disseram que seria ótimo se a marcha de todos fosse analisada periodicamente e se todos os profissionais de saúde prestassem atenção à marcha de seus pacientes.

    “Eu também adoraria que a análise da marcha fizesse parte do programa de recuperação de qualquer pessoa submetida a uma cirurgia no joelho, tornozelo ou quadril”, disse Heiderscheit. “Veremos isso se tornar mais comum porque a tecnologia está avançando rapidamente”. “A mobilidade é uma espécie de fonte da juventude”, disse Wakeman.

    “Se quisermos manter uma qualidade de vida boa e saudável, temos que nos preocupar muito com a nossa mobilidade”.

    Melanie Radzicki McManus é redatora freelance especializada em caminhadas, viagens e preparo físico.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original