Mais de 230 jornais médicos alertam que aquecimento global pode ser ‘catastrófico’ para saúde

Editorial é apelo por ações antes de várias reuniões entre líderes globais; segundo o BMJ, nunca antes tantas publicações de saúde se reuniram para fazer a mesma declaração

Angela Dewanda CNN

Ouvir notícia

A saúde humana já está sendo prejudicada pela crise climática e os impactos podem se tornar catastróficos e irreversíveis, a menos que os governos façam muito mais para lidar com o aquecimento global, disseram os editores de mais de 230 revistas médicas em um editorial conjunto publicado nesta segunda-feira (6).

O editorial aponta para ligações estabelecidas entre a crise climática e uma série de impactos adversos à saúde nos últimos 20 anos.

Entre os impactos, segundo os editores, estão o aumento nas mortes por calor, desidratação e perda de função renal, câncer de pele, infecções tropicais, problemas de saúde mental, complicações durante gravidez, alergias e doenças cardíacas e pulmonares e mortes associadas a eles.

“A saúde já está sendo prejudicada pelo aumento da temperatura global e pela destruição do mundo natural, uma situação para a qual os profissionais de saúde vêm chamando a atenção há décadas”, diz o editorial.

O documento alerta ainda que o aumento das temperaturas médias globais de 1,5º C acima dos níveis pré-industriais e a perda de biodiversidade trazem o risco de “danos catastróficos à saúde que serão impossíveis de reverter”.

Governos ao redor do mundo estão traçando planos para tentar conter o aumento da temperatura global para evitar o agravamento dos impactos das mudanças climáticas – meta que o editorial disse não ir longe o suficiente para proteger a saúde pública. O aquecimento já está em torno de 1,2° C.

“Apesar da preocupação necessária do mundo com a Covid-19, não podemos esperar que a pandemia passe para reduzir rapidamente as emissões”, escreveram os autores, pedindo aos governos uma resposta à crise climática com o mesmo espírito de “financiamento sem precedentes” dedicado à pandemia.

O periódico BMJ, com sede no Reino Unido, disse que “nunca antes” tantas publicações de saúde se reuniram para fazer a mesma declaração, “refletindo a gravidade da emergência da mudança climática que o mundo enfrenta agora.”

Os autores também alertaram que o objetivo de atingir um patamar onde o mundo não emite mais gases do efeito estufa do que remove da atmosfera contava com uma tecnologia não comprovada para tirar gases como o dióxido de carbono da atmosfera.

Eles acrescentaram que é mais provável que o aquecimento global ultrapasse 2° C, um limite que os cientistas do clima dizem que traria eventos climáticos extremos catastróficos – entre outros impactos para a vida humana, animal e vegetal.

Segundo os editores, apenas instar o mundo e a indústria de energia a fazer a transição dos combustíveis fósseis para os renováveis ​​fica aquém da ação necessária para enfrentar o desafio da crise climática.

Indústria
Emissões de gases afetam o meio ambiente e impactam diretamente nas mudanças climáticas / Foto: SD-Pictures/Pixabay

Apelo por ações de líderes globais

O editorial foi publicado como um apelo à ação antes de várias reuniões entre líderes globais para discutir e negociar ações sobre a crise climática, incluindo a Assembleia Geral da ONU na próxima semana, uma conferência sobre biodiversidade em Kunming, na China, em outubro e conversas sobre o clima cruciais em a cidade escocesa de Glasgow em novembro.

Entre as principais questões climáticas que devem ser abordadas nestes eventos está a meta de redução de 1,5° C, que estabelece uma data final para o uso do carvão e a proteção da biodiversidade – tanto terrestre quanto marítima.

“A maior ameaça à saúde pública global é o fracasso contínuo dos líderes mundiais em manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5° C e restaurar a natureza. Mudanças urgentes em toda a sociedade devem ser feitas e levarão a um mundo mais justo e saudável”, disseram os autores do editorial.

“Nós, como editores de revistas de saúde, pedimos que governos e outros líderes ajam, marcando 2021 como o ano em que o mundo finalmente muda de rumo”.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN