Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mesmo com crescimento de casos, China opta por não utilizar app que rastreia Covid-19

    Governo chinês decidiu afrouxar política de tolerância zero à doença após protestos se espalharem pelo país

    Simone McCarthySelina WangWayne Changda CNN

    A China está se preparando para uma onda sem precedentes de casos de Covid-19, ao desmontar grande parte de sua política repressiva de tolerância zero, com um importante especialista alertando que as variantes da Ômicron estavam “se espalhando rapidamente” e sinais de um surto sacudindo a capital do país.

    As mudanças continuaram nesta segunda-feira (12), quando as autoridades anunciaram a desativação da função de rastreamento de saúde do “cartão de itinerário móvel” planejada para o dia seguinte.

    O sistema, separado da plataforma de escaneamento de código de saúde ainda exigido em um número reduzido de lugares na China, usou os dados do celular das pessoas para rastrear seu histórico de viagens nos últimos 14 dias, na tentativa de identificar aqueles que estiveram em uma cidade com zonas designadas de “alto risco” pelas autoridades.

    Foi um ponto de discórdia para muitos chineses, inclusive devido a preocupações com a coleta de dados e seu uso pelos governos locais para proibir a entrada de quem visitou uma cidade com “zona de alto risco”, mesmo que não tenha ido para essas áreas dentro dessa cidade.

    Mas, à medida que o desmantelamento de partes da infraestrutura zero-Covid avança, há dúvidas sobre como o sistema de saúde do país lidará com um surto em massa.

    Durante o fim de semana, alguns negócios foram fechados em Pequim e as ruas da cidade ficaram praticamente desertas, pois os moradores adoeceram ou temeram pegar o vírus. As maiores multidões de público vistas estavam fora das farmácias e das cabines de teste da Covid-19.

    O jornal China Youth Daily documentou filas de horas em uma clínica no centro de Pequim na sexta-feira e citou especialistas não identificados pedindo que os residentes não visitem os hospitais, a menos que seja necessário.

    Os profissionais de saúde da capital também estavam enfrentando um aumento nas chamadas de emergência, inclusive de muitos residentes positivos para Covid com sintomas leves ou inexistentes.

    Um funcionário do hospital apelou no sábado aos residentes em tais casos para não ligarem para a linha direta de serviços de emergência da cidade, semelhante ao 911, para mantê-la gratuita para os gravemente doentes.

    O volume diário de chamadas de emergência aumentou de seus habituais 5.000 para mais de 30.000 nos últimos dias, disse Chen Zhi, médico-chefe do Centro de Emergência de Pequim, segundo a mídia oficial.

    A Covid estava “se espalhando rapidamente” impulsionado por variantes Omicron altamente transmissíveis na China, disse um dos principais especialistas em Covid-19, Zhong Nanshan, em uma entrevista publicada pela mídia estatal no sábado.

    “Não importa quão forte seja a prevenção e o controle, será difícil cortar completamente a cadeia de transmissão”, disse Zhong, que tem sido uma voz pública importante desde os primeiros dias da pandemia em 2020, segundo a Xinhua.

    Mudanças e preocupações

    A rápida reversão dos testes em todo o país e a mudança de muitas pessoas para usar testes de antígeno em casa também dificultaram a avaliação da extensão da disseminação, com os dados oficiais agora parecendo sem sentido.

    As autoridades registraram 8.626 casos de Covid-19 em toda a China no domingo, abaixo da contagem do dia anterior de 10.597 e da alta de mais de 40.000 casos diários no final do mês passado. A reportagem da CNN de Pequim indica que a contagem de casos na capital chinesa pode ser muito maior do que o registrado.

    Uma nota vista em um prédio residencial em Pequim é indicativa da situação mais ampla, dizendo: “Devido à grave situação epidêmica dos últimos dias, o número de funcionários que podem vir trabalhar é seriamente insuficiente e a operação normal do apartamento foi prejudicada”.

    O país está a apenas alguns dias de um grande relaxamento de suas medidas anti-covid de longa data, que veio como uma mudança alucinante para muitos chineses que vivem sob os rígidos controles do governo e alimentou uma narrativa de longa data sobre a letalidade do Covid-19.

    Na quarta-feira passada, as principais autoridades de saúde fizeram uma reversão abrangente das regras de teste em massa, quarentena centralizada e rastreamento do código de saúde nas quais confiava para controlar a propagação viral.

    Alguns aspectos dessas medidas, como o uso do código de saúde em locais designados e a quarentena central de casos graves, bem como o isolamento domiciliar de casos, permanecem.

    Especialistas externos alertaram que a China pode estar despreparada para lidar com o esperado aumento de casos, após a surpresa de suspender suas medidas após protestos em todo o país contra a política, crescente número de casos e aumento dos custos econômicos.

    Embora a Ômicron possa causar infecções relativamente mais brandas em comparação com variantes anteriores, mesmo um pequeno número de casos graves pode ter um impacto significativo no sistema de saúde em um país de 1,4 bilhão.

    Zhong, na entrevista à mídia estatal, disse que a principal prioridade do governo agora deve ser reforço de vacinas, especialmente para os idosos e outras pessoas em maior risco, especialmente com o Ano Novo Lunar chegando no próximo mês — um horário de pico em que os residentes urbanos visitam parentes idosos e retorno às cidades rurais.

    As autoridades de saúde ordenaram no domingo melhorias nas capacidades médicas nas áreas rurais até o final do mês.

    As medidas a serem tomadas incluem aumento de enfermarias e leitos de UTI, reforço da equipe médica para cuidados intensivos e criação de mais clínicas para febre, informou a Comissão Nacional de Saúde da China em comunicado.

    “Exagero”

    Enquanto isso, especialistas alertaram que a falta de experiência com o vírus – e anos de cobertura da mídia estatal com foco em seus perigos e impacto no exterior, antes de uma recente mudança de tom – pode levar aqueles que não estão em necessidade crítica a procurar atendimento médico, ainda mais opressor. sistemas.

    Bob Li, um estudante de pós-graduação em Pequim, que testou positivo na sexta-feira, disse que não tinha medo do vírus, mas sua mãe, que mora no interior, ficou acordada a noite toda preocupada com ele. “Ela acha o vírus uma coisa muito, muito assustadora”, disse Li.

    “Acho que a maioria das pessoas na China rural pode ter alguns mal-entendidos sobre o vírus, que podem vir da superestimação desse vírus pelo estado nos últimos dois anos. Essa é uma das razões pelas quais as pessoas têm tanto medo”, disse, acrescentando que ainda apoia o tratamento cuidadoso do governo com a Covid-19 durante a pandemia.

    Existem esforços claros para conter a preocupação pública com a Covid-19 — e seus efeitos indiretos, como a compra de medicamentos por pânico.

    O órgão regulador do mercado da China disse na sexta-feira que houve uma “escassez temporária” de alguns medicamentos “vendidos em alta” e prometeu reprimir a manipulação de preços, enquanto o grande varejista on-line JD.com disse na semana passada que estava tomando medidas para garantir suprimentos estáveis ​​após as vendas de certos medicamentos aumentaram 18 vezes naquela semana no mesmo período de outubro.

    Uma hashtag tendência na plataforma de mídia social altamente moderada da China, Weibo, no fim de semana, apresentou uma entrevista à mídia estatal com um médico de Pequim dizendo que as pessoas que testaram positivo para Covid-19, mas não apresentaram ou apresentaram sintomas leves, não precisavam tomar medicamentos para se recuperar.

    “Pessoas com infecções assintomáticas não precisam de medicação. É o suficiente para descansar em casa, manter o bom humor e a condição física”, disse Li Tongzeng, médico-chefe de doenças infecciosas do Beijing You An Hospital, em entrevista vinculada a uma hashtag vista mais de 370 milhões de vezes desde sexta-feira.

    Yong Xiong, Nectar Gan, Xiaofei Xu e Cheng Cheng, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original