Momento é de capacitar médicos para a hidroxicloroquina, diz Nise Yamaguchi

Em entrevista à CNN, a médica também criticou o estudo conduzido na Amazônia e os métodos usados

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Um dos principais nomes a defender o uso da hidroxicloroquina em pacientes de coronavírus no estágio inicial da doença, a médica Nise Yamaguchi comentou à CNN a carta repúdio que escreveu contra a pesquisa conduzida no Amazonas que levou à morte de 11 pacientes. Ela disse, porém, que a comunidade médica não pode abandonar os estudos da doença.

“Cada estudo feito não pode ser encarado como único e definitivo. Se o tratamento é feito em população que já tem problemas cardíacos decorrentes da própria doença, é de se esperar maiores problemas, assim como usar uma dose 4, 5 vezes maior que a recomendada em bula, como foi feito no Amazonas, também haverá problemas. Além de tudo, o estudo foi feito com a cloroquina, que é mais tóxica que a hidroxicloroquina, e se acumula no organismo. É óbvio que teremos problemas, mas isso não desmerece a classe de droga”, disse.

A médica também disse que o remédio deve ser prescrito. “Existe um parecer que define que o tratamento deve ser feito pelo médico, então o momento é de disponibilizar na rede pública e treinar médicos para que saibam para quem, que dose e quando prescrever este medicamento. É um aspecto técnico que vai tirar de foco a questão arbitrária”, afirmou. 

Ela também comentou o estudo da Prevent Senior que foi pausado por não ter aval de órgãos necessários. Segundo ela, o documento que vazou era um rascunho do estudo, e que a única coisa pronta até então eram os casos que seriam estudados, “diferente de um estudo prospectivo, com dados que serão consolidados pelo Conselho de ética e pesquisa”. “Mas não é fraude tratar os pacientes da melhor maneira que você pode. Fraude seria fazer estudos prospectivos sem ter os dados. Uma coisa é estudo de tratamento, outra é pesquisa clínica”, disse Nise.

Mais Recentes da CNN