‘Muito estranho’, diz Dimas Covas sobre ausência da Coronavac em nota da Saúde

Para o presidente do Butantan, a não citação do instituto indica um componente político por parte do Ministério.

Igor Gadelhada CNN

Ouvir notícia

 

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse à CNN neste domingo (22) ter estranhado o fato de o Ministério da Saúde não ter citado o órgão e o laboratório chinês Sinovac na lista de instituições com as quais a pasta informou ter avançado nas negociações para desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19.

No documento, divulgado na noite deste domingo (22), o ministério afirma que, ao longo da última semana, se reuniu com cinco laboratórios cujas vacinas “encontram-se em fase avançada de desenvolvimento” e anuncia que “deverá assinar cartas de intenção” de compra não-vinculantes para permitir uma futura aquisição de doses.

“Muito estranho. O Butantan já apresentou suas condições de fornecimento ao ministério e as informações técnicas. Isso foi feito em setembro.

Recebemos um memorandum de intenção naquela época. Aguardamos o desenvolvimento da própria vacina que já começam a chegar”, disse Covas, em referência à Coronavac, produzida pelo instituto com o Sinovac.

Para o presidente do Butantan, a não citação do instituto indica um componente político por parte do Ministério.

Assista e leia também

Acordos atuais garantiriam imunização para 1/3 dos brasileiros, diz ministério

Coronavac, AstraZeneca e Pfizer estão no mesmo estágio de validação no Brasil

Profissional de saúde segura caixa da Coronavac, vacina contra Covid-19
Profissional de saúde segura caixa da Coronavac, vacina contra Covid-19 da chinesa Sinovac, durante testes em Porto Alegre
Foto: Diego Vara – 8.ago.2020/ Reuters

“Não querem levar mais um puxão de orelhas do presidente (Jair Bolsonaro)”, disparou. Há um mês, a pasta chegou a assinar um protocolo de intenção de compra de 46 milhões de doses da Coronavac, mas recuou por ordem de Bolsonaro.

Covas disse ainda à CNN que, em seu entendimento, a não citação da Coronavac pelo Ministério da Saúde não significa que as tratativas com a pasta estão paralisadas.

“Eles estão com uma proposta completa em mãos. E logo que tivermos a vacina, vamos oferecer (ao ministério) para entrega”, afirmou o presidente do Butantan. 

Na nota, o ministério menciona Pfizer, Janssen, Bharat Biotech, Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e Moderna. Diz que segue acompanhando 270 estudos de vacinas no mundo e “reitera o compromisso em buscar adquirir com a maior brevidade uma vacina segura, eficaz e que cumpra os requisitos explicitados, em especial o registro junto à Anvisa.”

Procurada, a assessoria de imprensa do Ministério da Saúde disse que não citou a Coronvac na nota deste domingo (22) porque o documento é “apenas uma atualização da última semana” de negociações.

“E na última semana o Ministério da Saúde não se reuniu com representantes da Coronavac”, ponderou a pasta, comandada pelo general Eduardo Pazuello.

Mais Recentes da CNN