Mulheres são maioria na linha de frente do combate à Covid-19

Segundo o CONASEMS mulheres representam 65% dos mais de seis milhões de profissionais atuantes no setor público e privado de saúde

Alexa Meirelles e Anne Barbosa, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Desde o ano passado, o mês conhecido como o do Dia Internacional da Mulher também é lembrado por um outro marco: o início da pandemia do coronavírus no Brasil. Profissionais da saúde, pesquisadores e cientistas têm trabalhado diariamente para combater a doença – inclusive as mulheres, que são maioria na área da saúde.

Segundo o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS), elas representam 65% dos mais de seis milhões de profissionais atuantes no setor público e privado de saúde, em todos os níveis de complexidade da assistência.

“O plantão mais pesado antes da pandemia não chega nem aos pés dos plantões diários rotineiros de agora desse ano na pandemia“, afirma Camila Cordeiro, fisioterapeuta da UTI do Hospital Emilio Ribas.

O relato da Camila retrata um sentimento compartilhado por milhares de profissionais da saúde que, no último ano, viram sua rotina mudar completamente. Em treze anos de profissão, a fisioterapeuta afirma que o medo nunca foi tão grande.

Os cuidados ficaram ainda mais intensos. Para poder entrar em uma unidade de terapia intensiva, é preciso de cinco a dez minutos com os preparativos de segurança. No hospital onde ela trabalha, os leitos de uti estão todos ocupados.

Contudo, a luta contra o coronavírus não acontece somente nos hospitais. As cientistas também estão fazendo história no combate à pandemia. A participação das mulheres na área da pesquisa aumentou nos últimos anos, mas ainda assim apenas 30% das estudantes que ingressam na universidade escolhem carreiras relacionadas à ciência. Por isso, a luta por igualdade e reconhecimento continua. 

médicos em cirurgia
Médicos em cirurgia
Foto: Reprodução/Pixabay

 

Mais Recentes da CNN