Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Novos estudos detalham sequelas que Covid-19 pode causar ao coração

    Pesquisas publicadas no Journal of the American College of Cardiology indicam que coronavírus pode ser mais periogoso ao sistema cardíaco que a SARS

    Tratamento de paciente com coronavírus em leito de UTI
    Tratamento de paciente com coronavírus em leito de UTI Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

    De Maggie Fox, da CNN

    Pesquisas recentes trazem mais detalhes sobre as possíveis sequelas que a Covid-19 pode causar ao sistema cardíaco de infectados, mesmo após a eliminação do vírus.

    Danos cardíacos de longo prazo são prováveis em alguns sobreviventes da doença, informou uma equipe de médicos nesta segunda-feira (19), em uma publicação no Journal of the American College of Cardiology. O grupo avaliou que a Covid-19 pode desregular a forma como o sangue coagula, além de danificar os pulmões e sua capacidade de processar oxigênio fresco no sangue.

    Leia também:
    Muitas pessoas perderam o olfato com o novo coronavírus. Será que ele volta?    

    Confira o status de desenvolvimento das principais vacinas contra a Covid-19

    Entenda como pessoas que não tiveram Covid-19 podem ter imunidade ao vírus   

    Pacientes que tiveram que passar por ventilação – e a sedação medicamentosa que vem junto com isso – estão mais em perigo, escreveram o Dr. Sean Pinney da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai e seus colegas.

    Médicos notaram que cerca de um terço dos sobreviventes do vírus da síndrome respiratória aguda (SARS) entre 2003 e 2004, que traz diversas semelhanças com o novo coronavírus, apresentavam função pulmonar anormal persistente um ano após a doença, com menor capacidade de exercício.

    De acordo com eles, a Covid-19 parece danificar o coração ainda mais.

    Um segundo estudo observou um tipo de dano ao coração conhecido como lesão miocárdica em cerca de um quarto dos pacientes com o novo coronavírus.

    Na mesma publicação, uma terceira pesquisa observou que os pacientes com excesso de gordura corporal, açúcar no sangue não controlado, pressão alta e colesterol alto enfrentam riscos muito maiores de complicações do novo coronavírus. No mundo todo é crescente o número de pessoas que possuem os quatro problemas.