O que se sabe até agora sobre a variante Delta do novo coronavírus

Cepa originária da Índia é altamente transmissível e classificada como "variante de preocupação"

Foto: Reprodução / CNN

Maggie Fox, da CNN

Ouvir notícia

Os Estados Unidos tiveram uma reviravolta em relação à sua abordagem à pandemia do novo coronavírus nesta semana. As máscaras estão de volta, as prescrições de vacinas estão se aproximando e as autoridades parecem mais preocupadas do que há meses.

O presidente Joe Biden disse na quinta-feira (29) que cada funcionário ou contratado do governo federal será questionado se foi vacinado, e aqueles que não o foram, devem usar uma máscara no trabalho, manter distância dos outros e se submeter a um teste de vírus pelo menos uma vez por semana.

Isso leva a duas coisas: o grande número de americanos que não foram vacinados e a rápida disseminação da variante Delta.

Aqui está o que se sabe até agora sobre a variante.

O que é a variante Delta

A variante Delta, originalmente conhecida como B.1.617.2, existe desde o final do ano passado, mas nos últimos meses tornou-se rapidamente dominante em muitos países. É responsável por mais de 80% dos casos recém-diagnosticados nos Estados Unidos, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

“Os casos de Covid-19 aumentaram mais de 300% nacionalmente de 19 de junho a 23 de julho de 2021, juntamente com aumentos paralelos em hospitalizações e mortes causadas pela variante B.1.617.2 (Delta) altamente transmissível”, disse o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

A variante Delta é mais transmissível

Ainda não está claro o quanto a variante é mais transmissível. Estimativas variam entre 60% e 200% mais transmissível, dependendo de quem apresenta a estimativa.

Um documento do CDC indica que a variante Delta é quase tão transmissível quanto a catapora — com cada pessoa infectada infectando até oito ou nove outras, em média. A cepa original do coronavírus, indicada pelo CDC, era quase tão contagiosa quanto o resfriado comum, com cada pessoa infectada infectando outras duas.

É um número difícil de verificar, porque descobrir isso exigiria muito mais testes do que está sendo feito agora. Pessoas com teste positivo teriam que enviar amostras para sequenciamento genômico, e isso só é feito em alguns lugares nos Estados Unidos.

E para comparar sua transmissibilidade com variantes anteriores exigiria que esse tipo de teste tivesse sido feito nos últimos meses — e isso simplesmente não foi feito.

Portanto, tudo depende de estimativas.

Os modeladores britânicos de doenças infecciosas, um grupo conhecido como Scientific Pandemic Influenza Group on Modeling dizem que os dados indicam que o Delta é de 40% a 60% mais transmissível do que o B.1.1.7 ou variante Alpha, que já foi a cepa dominante nos EUA, mas que foi substituída pela Delta. Eles dizem que é quase duas vezes mais transmissível do que as cepas originais do vírus vistas pela primeira vez na China.

Delta pode causar quadros mais graves

Os pronto-socorros e unidades de terapia intensiva de hospitais estão se enchendo de pacientes novamente em partes dos Estados Unidos. Pode parecer que a variante Delta está deixando as pessoas mais doentes, mas mais de 90% das pessoas que comparecem para tratamento não foram vacinadas, de acordo com o CDC e funcionários do hospital que falaram à CNN.

Portanto, embora as pessoas possam ter maior probabilidade de serem infectadas com Delta se não forem vacinadas, não há dados concretos que mostrem que o Delta causa doenças mais sérias.

O CDC cita três estudos mais antigos, do Canadá, Cingapura e Escócia, indicando que as pessoas infectadas com Delta acabam no hospital com mais frequência.

O que também está acontecendo é que os jovens representam uma parcela maior das pessoas que adoecem. Mais de 80% dos americanos com mais de 65 anos estão totalmente vacinados, de acordo com o CDC. Mas os americanos mais jovens não são vacinados na mesma proporção, então são eles que aparecem nos pronto-socorros.

Pode ser mais capaz de infectar até mesmo pessoas totalmente vacinadas

Nenhuma vacina é 100% eficaz e milhares de pessoas que estão totalmente vacinadas, no entanto, foram infectadas — algo conhecido como um caso de avanço.

O CDC divulgou um estudo surpreendente na sexta-feira (30) analisando um surto em Provincetown, Massachusetts, onde 74% das pessoas que foram infectadas foram totalmente vacinadas — e quatro delas acabaram no hospital.

O surto envolveu 469 pessoas que pegaram Covid-19 no início deste mês.

“Os testes identificaram a variante Delta em 90% das amostras de 133 pacientes”, escreveram os pesquisadores do CDC e dos departamentos de saúde locais no relatório semana.

É o primeiro grande estudo a contradizer evidências anteriores de que as pessoas vacinadas estão quase completamente seguras de doenças graves, mesmo envolvendo Delta e outras variantes.

Isso foi notado em uma apresentação do CDC feita a Rochelle Walensky nesta semana.

“As vacinas previnem mais de 90% das doenças graves, mas podem ser menos eficazes na prevenção de infecções ou transmissão”, diz o documento. “Portanto, mais avanços e mais disseminação pela comunidade, apesar da vacinação.”

A nota está no site do CDC agora.

“As evidências disponíveis sugerem que as vacinas de mRNA atualmente autorizadas (Pfizer-BioNTech e Moderna) são altamente eficazes contra hospitalização e morte por uma variedade de cepas, incluindo Alfa (B.1.1.7), Beta (B.1.351), Gama (P.1) e Delta (B.1.617.2) “, diz o CDC.

“Os dados sugerem menor eficácia contra a infecção confirmada e doença sintomática causada pelas variantes Beta, Gamma e Delta em comparação com a cepa ancestral e a variante Alpha. O monitoramento contínuo da eficácia da vacina contra as variantes é necessário”, acrescenta o CDC.

Testes realizados em laboratórios indicaram que a resposta imunológica gerada pelas vacinas deveria ser, em teoria, forte e ampla o suficiente para cobrir a Delta.

Pode ser mais infecciosa em casos inovadores do que cepas anteriores

Embora o CDC tenha dito originalmente às pessoas que os vacinados têm menos probabilidade de infectar outras pessoas, Walensky, do CDC, disse esta semana que a variante Delta pode ser diferente.

O estudo Provincetown divulgado sexta-feira mostra isso. “Pessoas com Covid-19 relataram participar de eventos internos e externos densamente lotados em locais que incluíam bares, restaurantes, casas de hóspedes e casas de aluguel”, escreveram os pesquisadores.

Testes nas pessoas infectadas mostraram que as pessoas totalmente vacinadas tinham tantos vírus em seus corpos quanto as pessoas não vacinadas.

“Cargas virais elevadas sugerem um risco aumentado de transmissão e aumentam a preocupação de que, ao contrário de outras variantes, as pessoas vacinadas infectadas com Delta podem transmitir o vírus. Esta descoberta é preocupante e foi uma descoberta fundamental que levou à recomendação de máscara atualizada do CDC”, disse Walensky.

Por causa dessa e de outras evidências, o CDC agora diz que até mesmo as pessoas vacinadas devem usar máscaras em áreas de transmissão contínua ou alta. É porque as pessoas vacinadas podem ficar expostas e, então, podem ter vírus suficiente crescendo em seus corpos para infectar outra pessoa, mesmo que não tenham sintomas.

“Os resultados desta investigação sugerem que mesmo as jurisdições sem transmissão substancial ou alta de Covid-19 podem considerar a expansão das estratégias de prevenção, incluindo o mascaramento em ambientes públicos fechados, independentemente do estado de vacinação, dado o risco potencial de infecção durante a participação em grandes reuniões públicas que incluem viajantes de muitas áreas com diferentes níveis de transmissão”, escreveu a equipe que relatou o surto em Provincetown.

Muito do que se sabe vem de um estudo feito por pesquisadores na China.

Eles descobriram que a carga viral de pessoas infectadas com Delta era 1.000 vezes maior do que a de pessoas infectadas no início da pandemia.

Jing Lu, do Centro Provincial de Controle e Prevenção de Doenças de Guangdong, e seus colegas também disseram que o vírus se transmitiu mais rapidamente — em quatro dias, em comparação com seis dias no início da pandemia.

Pessoas que fazem declarações imprevisíveis sobre as propriedades da Delta geralmente se referem a este único estudo. Por exemplo, a especialista em doenças infecciosas da Universidade de Nova York, Celine Gounder, criou um rebuliço quando disse que as pessoas poderiam ser infectadas pelo Delta em apenas um segundo de exposição, em comparação com 15 minutos no início da pandemia.

Isso não foi baseado em observações científicas. Gounder estava extrapolando o estudo de Lu, ela explicou no Twitter.

Tem algumas mutações únicas

A cepa Delta tem uma constelação de mutações que a marcam.

Cada variante carrega um grupo de diferentes mutações. Quando essas mutações começam a fazer com que uma linhagem específica de vírus se comporte de maneira diferente ou tenha efeitos diferentes, ela é marcada como uma variante de preocupação ou uma variante de interesse.

Delta tem pelo menos três mutações em uma estrutura chamada domínio de ligação ao receptor — a parte do vírus que se conecta diretamente às células humanas que infecta. Eles podem ajudá-lo a escapar da detecção pelo sistema imunológico e pelo menos um deles pode ajudá-lo a se ligar mais firmemente às células.

Outra mutação em um local conhecido como local de clivagem da furina — é na proteína spike característica — também pode ajudar a fazer com que o vírus infecte as células mais facilmente, de acordo com a Sociedade Americana de Microbiologia.

“Acredita-se que a mutação aumente a infectividade e transmissibilidade viral; no entanto, pesquisas indicam que ela deve ocorrer no contexto de mutações adicionais da proteína spike para ter consequências”, diz a Sociedade Americana de Microbiologia.

A cepa, no entanto, não tem algumas das mutações que tornaram outras variantes mais transmissíveis, incluindo uma chamada N501Y que caracteriza a variante Alfa ou B.1.1.7; a versão Beta ou B.1.351; e a variante Gama ou P1. Ele também não possui uma mutação chamada E484K, vista em Beta e Gamma.

A resposta à propagação, dizem especialistas em doenças infecciosas, é mais vacinação. “Se tivermos mais e mais pessoas vacinadas, vamos vencer essa corrida”, disse Walensky esta semana.

(Texto traduzido; clique aqui e leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN