OMS afirma que ainda não está claro se variante Ômicron causa doença mais grave

Evidências preliminares sugerem que pode haver um risco maior de reinfecção da variante, segundo a organização

Da Reuters

Ouvir notícia

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse neste domingo (28) que ainda não está claro se a nova variante Ômicron do coronavírus é mais transmissível em comparação com outras variantes do SARS-CoV-2 ou se ela causa doença mais grave.

“Dados preliminares sugerem que há taxas crescentes de hospitalização na África do Sul, mas isso pode ser devido ao aumento do número geral de pessoas que estão se infectando, ao invés de resultado de uma infecção específica com Ômicron”, disse o documento.

No entanto, em um comunicado, a agência reiterou que as evidências preliminares sugerem que pode haver um risco maior de reinfecção da variante. A OMS disse que está trabalhando com especialistas técnicos para entender o impacto potencial da variante nas contramedidas existentes contra a doença Covid-19, incluindo vacinas.

“Atualmente não há informações que sugiram que os sintomas associados ao Ômicron sejam diferentes daqueles de outras variantes”, disse a OMS.

“As infecções iniciais relatadas ocorreram em estudos universitários – indivíduos mais jovens que tendem a ter doença mais branda – mas compreender o nível de gravidade da variante Ômicron levará de dias a várias semanas”, disse o documento.

Os testes de PCR continuam a detectar a infecção com Ômicron – que foi detectada pela primeira vez na África do Sul no início deste mês – e estudos estão em andamento para determinar se há algum impacto nos testes de detecção rápida de antígenos, disse a OMS.

Mais Recentes da CNN