Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    OMS monitora casos de hepatite grave de origem desconhecida em crianças no Reino Unido

    Até agora, 74 casos foram identificado; Nos Estados Unidos, outro alerta foi emitido por casos com sintomas semelhantes desde novembro

    Laboratório de Hepatites Virais do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz)
    Laboratório de Hepatites Virais do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) Peter Ilicciev/Fiocruz

    Da CNN

    Ouvir notícia

    A Organização Mundial da Saúde identificou 74 casos de hepatite grave e aguda – inflamação do fígado – entre crianças em todo o Reino Unido, disse em um comunicado à imprensa nesta sexta-feira (15). De acordo com a entidade, até o dia 8 de abril, foram notificados 74 casos no Reino Unido, sendo dez deles na Escócia.

    Em sua declaração, a OMS disse que excluiu os vírus da hepatite tipo A, B, C, D e E como a causa da doença hepática nos casos do Reino Unido. Nos EUA, as causas mais comuns de hepatite viral são as hepatites A, B e C. Autoridades de saúde do Alabama divulgaram uma declaração separada nesta sexta-feira, na qual disseram que estão investigando casos semelhantes de hepatite em crianças no estado desde novembro.

    A OMS informa ainda que há relatos de “vários casos” da nova doença em crianças infectadas pelo novo coronavírus e/ou adenovírus, embora o papel desses vírus na patogênese (mecanismo pelo qual a doença se desenvolve) ainda não esteja claro.

    No Reino Unido, a doença foi detectada em crianças de 1 a 10 anos. Seis pacientes passaram por transplante de fígado. Até o momento, não há relato de mortes em decorrência da doença.

    “A OMS está monitorando de perto a situação com outros estados membros e o Reino Unido e parceiros para casos com perfis semelhantes”, diz nota da OMS que pede aos membros da organização para estarem atentos e reportarem casos semelhantes.

    Os sintomas da doença incluem elevada taxa de enzimas hepáticas, vômito, diarreia e dores abdominais.

    (Publicado por Carolina Farias, com informações da Agência Brasil*)

    Mais Recentes da CNN