Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Primeiros casos de micose resistente ao tratamento são relatados nos EUA

    Duas pacientes, que não são parentes, moram na cidade de Nova York e uma delas não tinha histórico de viagens internacionais; infecções foram causadas por fungo descoberto recentemente

    Dois casos do fungo Trichophyton indotineae foram identificados nos EUA
    Dois casos do fungo Trichophyton indotineae foram identificados nos EUA CDC

    Jen Christensenda CNN

    Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA relataram os primeiros casos conhecidos de micose resistente a antifúngicos nos Estados Unidos e estão instando os provedores de saúde a ficarem atentos a essas infecções.

    Os detalhes dos casos foram relatados ao CDC em fevereiro e compartilhados em um relatório publicado na quinta-feira (11). As pacientes – duas mulheres, que não são parentes, na cidade de Nova York – apresentaram sintomas pela primeira vez em 2021 e 2022. Uma paciente não tinha histórico de viagens internacionais, sugerindo que há alguma disseminação comunitária nos Estados Unidos.

    A micose não é causada por um verme, mas sim por uma das 40 espécies de fungos. Nesse caso, as infecções foram causadas pelo Trichophyton indotineae, um fungo descoberto recentemente.

    Os casos estavam inicialmente concentrados em pacientes no sul da Ásia, mas agora também foram encontrados em países da Europa. Estes são os primeiros casos conhecidos nos EUA.

    A micose pode assumir várias formas, mas geralmente causa o que parece ser uma erupção cutânea superficial que forma um anel ao redor da pele de aparência normal. É uma irritação cutânea altamente desconfortável e pruriginosa.

    No caso da primeira paciente, a mulher de 28 anos parecia ter desenvolvido a irritação na pele no verão de 2021. Ela foi a um dermatologista em dezembro e disse que não havia viajado internacionalmente, nem havia tido qualquer exposição conhecida a alguém com algo semelhante.

    O relatório diz que a mulher tinha “grandes placas anulares, escamosas e pruriginosas” no pescoço, estômago, região pubiana e nádegas. Os médicos a colocaram em uma terapia oral que ela começou a fazer em janeiro de 2022.

    Quando a erupção cutânea não melhorou após duas semanas de terbinafina, um antifúngico comum, os médicos a prescreveram itraconazol, um medicamento líquido normalmente usado para tratar infecções fúngicas na boca e na garganta.

    O tratamento pareceu funcionar e a infecção desapareceu depois que a mulher tomou o medicamento por quatro semanas. Os médicos ainda a estão monitorando, porque as infecções por micose podem retornar.

    A segunda paciente, uma mulher de 47 anos, desenvolveu a irritação cutânea nas coxas e nádegas durante uma visita a Bangladesh no verão de 2022. Os médicos a trataram com um antifúngico tópico e cremes esteróides, mas a erupção não melhorou. Vários outros membros da família em Bangladesh também desenvolveram irritações semelhantes.

    No outono, quando a mulher estava de volta aos Estados Unidos, ela foi ao pronto-socorro três vezes para pedir ajuda. Os médicos deram a ela vários cremes e tratamentos normalmente usados para micose, mas em dezembro os dermatologistas notaram que não havia melhora.

    Ela também recebeu terbinafina oral, mas seus sintomas não melhoraram. O resultado só foi promissor depois de tratar com griseofulvina por quatro semanas, um medicamento também usado com frequência para tratar frieira e infecções fúngicas no couro cabeludo, mas os médicos estão procurando outras opções de tratamento. O filho e o marido, que moram com ela, estão sendo avaliados para infecções semelhantes.

    Cientista analisa placa com um tipo de fungo que faz parte da coleção de estudos da Fiocruz / Gutemberg Brito/IOC/Fiocruz

    Priya Soni, especialista em doenças infecciosas pediátricas do Cedars-Sinai Medical Center em Los Angeles, disse que é impressionante que os médicos tenham conseguido identificar as espécies com a ajuda do departamento de saúde pública.

    Como uma das pacientes não tinha histórico de viagem para nenhuma área que tenha visto casos, disse ela, é um sinal real de que houve algumas mudanças epidemiológicas nas espécies fúngicas.

    “Também pode ser um pouco mais difundido do que observamos antes, portanto, para médicos e outros provedores, acho importante estar ciente de que podemos estar vendo mais dessa espécie em particular à medida que entramos nos meses mais quentes e úmidos do verão”, disse Soni, que não estava envolvida em nenhum dos novos casos.

    “Acho que com a globalização e apenas as viagens que teremos durante o verão, isso pode ser algo que veremos mais com o passar dos meses”.

    O relatório incentiva os provedores a ficarem atentos a essas infecções. Soni disse que uma bandeira vermelha provavelmente seria se alguém com erupção cutânea não respondesse à terbinafina após cerca de quatro semanas de tratamento.

    O CDC insta os profissionais de saúde a entrar em contato com o departamento de saúde pública estadual ou local se uma erupção cutânea não responder aos tratamentos de primeira linha, para que os casos possam ser testados posteriormente; ele observa que as técnicas de teste usadas pela maioria dos laboratórios clínicos normalmente identificam erroneamente os casos dessa micose como outros tipos.

    Embora o itraconazol pareça funcionar quando os tratamentos de primeira linha não funcionaram, pode ser difícil de absorver e nem sempre interage bem com outros medicamentos. Também pode levar até 12 semanas para funcionar.

    “Os esforços de administração antimicrobiana são essenciais para minimizar o uso indevido e o uso excessivo de medicamentos antifúngicos e corticosteróides prescritos e vendidos sem receita”, diz o relatório.

    O CDC também incentiva os médicos a educar os pacientes sobre como prevenir a propagação da micose.

    Lavar as mãos com água e sabão é muito eficaz para combater o coronavírus
    Boa higiene das mãos pode ajudar a prevenir infecções fúngicas, uma vez que se espalha pele a pele / Foto: Maddie Meyer/ Getty Images

    Soni disse que aconselharia as pessoas a não compartilhar roupas, pentes ou chapéus com pessoas com erupções cutâneas e a evitar contato próximo com pessoas com micose.

    Como os fungos gostam de ambientes quentes e úmidos, seque bem os pés entre tomar banho e calçar meias e sapatos.

    Uma boa higiene das mãos também pode ajudar, uma vez que a infecção fúngica se espalha pele a pele. O fungo pode ser encontrado no solo, por isso é importante usar luvas ou lavar bem as mãos após cuidar do jardim ou mexer na terra.

    As pessoas podem contrair micose depois de acariciar um animal de fazenda ou até mesmo um cachorro ou gato que tenha uma infecção.

    “Qualquer tipo de micose realmente floresce no clima quente e úmido, especialmente em vestiários, piscinas cobertas, esse tipo de coisa”, disse Soni.

    Com o mundo cada vez mais quente e úmido, os cientistas dizem que provavelmente veremos mais infecções fúngicas como essa. A preocupação, é claro, será quantas mais serão resistentes aos tratamentos básicos.

    “Nós nos deparamos com um pequeno problema quando você vê novas espécies que são intrinsecamente resistentes a alguns de nossos antifúngicos mais comuns”, disse Soni.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original