Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Quais sinais o corpo pode dar quando algo não está certo por conta do calor?

    Especialista alerta que baixa umidade do ar, somada a um calor sufocante, pode gerar impactos diretos sobre a saúde dos brasileiros

    Mateus Cerqueirada CNN

    em São Paulo

    A baixa umidade do ar, somada a um calor sufocante, pode ter impactos diretos sobre a saúde dos brasileiros. O resultado são alterações que podem ocorrer pelo corpo humano e a possível ocorrência de problemas como exaustão e acidente vascular pelo calor, comumente chamado de golpe pelo calor.

    O alerta é de Sergio Timerman, médico e diretor do Instituto do Coração (InCor), durante entrevista à CNN, nesta quarta-feira (20).

    Timerman alerta que apesar de soarem sinônimas, a exaustão pelo calor e o golpe pelo calor são dois problemas diferentes, mas com a mesma causa: a exposição ao calor excessivo.

    “A exaustão pelo calor é quando estou cansado, com mais sede, náuseas, fraqueza”, pontua Timerman. “Mas quando você tem taquicardia, cansaço excessivo, falta de ar, perda de consciência [desmaios], isso é considerado golpe pelo calor”.

    Ambos os problemas são resultado da onda de calor que atinge diferentes estados do Brasil e que gerou o alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) para cor laranja, que é dado quando as temperaturas são classificadas como perigosas para humanos e ficam 5°C acima da média para o período do registro.

    Em uma comparação, o golpe pelo calor é considerado o mais grave e ocorre quando o indivíduo fica exposto excessivamente ao sol, ou realiza esforço físico excessivo em ambientes muito quentes.

    No caso da exaustão pelo calor, ela ocorre, principalmente, quando o indivíduo está desidratado e perde sais minerais. Em termos de gravidade, ela é menos grave que a insolação, mas pode levar a um quadro de insolação – quando a temperatura corporal ultrapassa os 40°C.

    Em todos os casos, Timerman alerta sobre a necessidade de cuidados prévios, como a hidratação e a menor exposição possível ao sol em horários de grande incidência dos raios solares – geralmente das 10h às 16h -, e a procura do serviço de emergência médica, no caso da apresentação de algum sintoma grave.

    Produzido por Duda Cambraia

    VÍDEO: Calor extremo: SP terá ações para pessoas em situação de rua