Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Qual é o pior distúrbio do sono? Especialista responde e explica

    Comer enquanto dorme é um transtorno relacionado ao sonho que pode resultar em ganho de peso e má nutrição

    Comer durante o sono é um tipo de comportamento anormal
    Comer durante o sono é um tipo de comportamento anormal Andisheh A/Unsplash

    Sandee LaMotteda CNN

    Jill estava na escola quando começou a comer durante o sono. Apesar de levar a comida para sua cama noite após noite para devorá-la, ela não tinha ideia do que tinha feito até a manhã seguinte.

    “Eu acordava com esses recipientes ou embalagens de uma caixa inteira de biscoitos ou bolachas na minha cama ou ao lado dela,” disse Jill, hoje com 62 anos. Devido ao estigma e à incompreensão sobre comer durante o sono, a CNN concordou em não divulgar seu sobrenome.

    “Muitas pessoas pensam que essa condição é apenas ‘levantar e comer um lanche e depois voltar para a cama’. Bem, não é isso. Isso é algo completamente diferente,” disse Jill sobre seus comportamentos noturnos inconscientes.

    “Eu não levanto uma vez só para dar uma mordida aqui e ali,” disse. “Eu posso comer um pacote inteiro de biscoitos, depois levantar de novo e tomar quatro tigelas de cereal, depois levantar de novo e comer uma caixa inteira de bolachas. E sempre é esse tipo de comida, nunca algo como ‘vou comer uma maçã’.”

    Noites de má nutrição e sono disfuncional cobram seu preço após um tempo, segundo Jill.

    “Eu nem consigo te dizer o quão doente você se sente,” continuou. “Você se levantou inúmeras vezes durante a noite, então não está descansada, e consumiu enormes quantidades de comida que não é nutritiva. Então você acorda e boom, tem que funcionar pelo resto do dia. E foi o que fiz por anos e anos.”

    Jill vive com o transtorno alimentar relacionado ao sono, também conhecido como comer durante o sono – uma condição de despertar em que parte do cérebro acorda enquanto o resto dorme. Comer durante o sono é uma “parassonia“, um comportamento anormal ou incomum durante o sono, semelhante ao sonambulismo, falar durante o sono, terrores noturnos e sexonambulismo.

    “De todas as parassonias, o transtorno alimentar relacionado ao sono tem o pior impacto na vida das pessoas,” explicou o Dr. Carlos Schenck, professor e psiquiatra sênior no Centro Médico do Condado de Hennepin da Universidade de Minnesota.

    “Essas pessoas têm episódios de comer sem controle quase todas as noites. Elas ganham peso. Se sentem miseráveis de manhã. Isso afeta toda a vida delas e é simplesmente horrível,” disse Schenck, que é especializado no tratamento de parassonias.

    Embora possa parecer que as pessoas estão agindo em seus sonhos, conforme o médico explica, as parassonias ocorrem mais frequentemente durante o estágio mais profundo e lento do sono, chamado sono delta.

    “Algo dispara um alarme no sistema nervoso central e seu corpo é ativado enquanto sua cognição está profundamente adormecida,” explicou.

    Distúrbio do sono: alimentação sem nenhum controle ou restrição

    No estado misto de sono e vigília que é a alimentação durante o sono, o cérebro antigo assume o controle, procurando alimentos que possam satisfazer a necessidade do corpo por gratificação. Alimentos ultraprocessados como doces, bolachas, biscoitos, bolos, rosquinhas e salgadinhos são escolhas preferidas para comer durante o sono, de acordo com Schenck.

    “Você não tem controle, não tem restrição,” falou o médico. “As pessoas podem consumir alimentos aos quais são alérgicas e depois ter uma reação alérgica. É raro, mas acontece.”

    “E porque escolhem alimentos como manteiga de amendoim, chocolate, torta de banana ou massa — alimentos reconfortantes, ricos em calorias e processados em excesso — podem desenvolver ou agravar casos de diabetes ou hipertensão.”

    De todas as parassonias, comer durante o sono é o mais desafiador de tratar, com uma taxa de sucesso de apenas 2/3, segundo Schenck. Em comparação, a taxa de sucesso no tratamento de pacientes com sexonambulismo, sonambulismo ou terrores noturnos é superior a 75%.

    “Você pode ter alguém que é sonâmbulo há muitos anos, mas uma vez que começam a comer durante a noite, logo, comer se torna o único comportamento de sonambulismo,” disse Schenck.

    “Há algo irresistível sobre consumir alimentos durante a noite e sonambulismo — quem quer rearranjar os móveis ou apenas andar pela casa quando se pode ir comer?”

    “Os médicos não entendiam”

    Casada aos vinte e poucos anos, Jill continuou a comer na cama à noite ao lado do novo marido. Felizmente, disse ela, ele tinha o sono pesado.

    “Ele acordava de manhã com a cama cheia de migalhas e embalagens e dizia: ‘O que há de errado com você?’ Ele achava que eu estava louca,” contou. “Ele não entendia. E eu não entendia porque não estava fazendo isso de propósito.”

    A saúde de Jill sofreu. Não apenas ganhou peso com todas as calorias extras, mas a qualidade de sua dieta despencou drasticamente.

    “Eu sou uma pessoa que come saudável, mas muitas vezes me sentia tão doente durante o dia que a última coisa que eu queria era comida, mesmo comida saudável,” disse Jill. “Quem comeria quando você come o equivalente a seis jantares de Ação de Graças seguidos todas as noites?”

    Envergonhada pelo seu comportamento, Jill manteve seus hábitos de sono em segredo por décadas. Foi só quando seu filho desenvolveu um distúrbio chamado hipersonolência idiopática, no qual ele dormia 18 horas ou mais, que ela começou a perguntar aos médicos sobre sua própria condição. Infelizmente, segundo ela, abordar o assunto não deu certo.

    “Muitos médicos com quem conversei não tinham ideia do que havia de errado comigo, ou simplesmente não entendiam. Um médico disse: ‘Bem, talvez você devesse comer um pedaço de pão antes de dormir.’ Ah, claro, isso com certeza resolve’,” disse Jill, com desdém.

    “Se você não tem esse transtorno ou não vive com ele, não vai entender completamente, mas eu realmente achava que os médicos saberiam mais,” acrescentou. “E o problema foi que então eu me senti sozinha, acreditando que algo estava errado comigo — porque os médicos não entendiam, então devia ser culpa minha.”

    Causas da alimentação durante o sono

    Os motivos que fazem alguém comer durante o sono são variados e complexos, como descobriu Jill após anos de consultas médicas decepcionantes. Pela primeira vez, ela passou por um estudo do sono em um laboratório no centro de tratamento de Schenck em Minneapolis, onde foi diagnosticada com síndrome das pernas inquietas, um distúrbio neurológico que causa sensações desagradáveis nas pernas, juntamente com um impulso irresistível de movê-las.

    “Agora se tornou síndrome do corpo inquieto,” disse Jill. “É um tremor, quase como se um inseto estivesse rastejando dentro de mim e isso se espalha por todo o meu corpo.”

    Para aliviar os tremores constantes antes de dormir, Jill às vezes caminha pela casa, balançando os braços e pernas numa tentativa desesperada de parar a sensação. “Você fica tão miserável, tão desconfortável, que começa a mexer as partes de seu corpo, tentando cansá-las,” disse ela. “Algumas noites o tremor é tão ruim que eu simplesmente não consigo nem dizer, eu choro de tão ruim.”

    A síndrome das pernas inquietas é uma das quatro possíveis causas da alimentação durante o sono, conforme explicou Schenck.

    “Você pode desenvolver o distúrbio de comer durante o sono pelo sonambulismo, pela apneia do sono, por certos medicamentos para insônia, ou, como no caso de Jill, pela síndrome das pernas inquietas,” explicou. “Todas essas podem ser causas finais do transtorno alimentar relacionado ao sono, e é por isso que na medicina chamamos isso de um distúrbio de caminho final comum. Basicamente, todos os caminhos levam à Roma.”

    No entanto, Jill estava comendo durante o sono muito antes de a síndrome das pernas inquietas se tornar um problema chave. De acordo com o médico, pesquisas mostram que o comer durante o sono pode ocorrer antes dos outros sintomas.

    “Nós estudamos um grupo de pacientes com o distúrbio de comer durante o sono no laboratório, e eles tinham movimentos periódicos dos membros junto com a alimentação noturna”, disse ele. “E então, para nossa surpresa, cinco ou dez anos depois, eles desenvolveram a clássica síndrome das pernas inquietas. Assim, comer durante o sono pode ser o primeiro indicador futuro da síndrome das pernas inquietas.”

    Outros fatores de risco para o comer durante o sono incluem histórico familiar de distúrbios alimentares de qualquer tipo e o sexo da pessoa, segundo Schenck.

    “Comer durante o sono é predominantemente feminino, cerca de 70%, enquanto a sexonambulismo, por exemplo, é predominantemente masculina: cerca de 80%,” disse. “É possível que o foco da sociedade na dieta contribua; se alguém restringe sua alimentação durante o dia e não consome calorias suficientes, isso pode impulsionar o distúrbio de comer durante o sono.”

    A mãe de Jill sempre estava de dieta, segundo ela lembra, e se pergunta se esse fator poderia ter contribuído para seu comportamento. “Sabe, a grande questão era que você tinha que ser magra, e eu me pergunto se quando criança eu estava percebendo isso. Mas realmente não sei”, disse.

    As famílias podem tentar ajudar seus entes queridos acordando-os enquanto estão comendo durante o sono, explicou Schenck. No entanto, às vezes isso pode ter efeitos contrários. “A pessoa pode ficar irritada e zangada e dizer, ‘Não me impeça de fazer o que tenho que fazer’. Uma vez tratei uma mãe solteira com três filhos adolescentes que pagava aos filhos para dormirem em sacos de dormir na cozinha para impedi-la de comer durante o sono”, continuou. “Quando ela entrava na cozinha durante a noite, os filhos diziam, ‘Pare, você nos pagou para fazer você parar!’ Adivinhe o que aconteceu? Ela ficou tão frustrada que pagou mais dinheiro aos filhos para eles voltarem para suas próprias camas e para que ela pudesse comer em paz.”

    “Não desista”

    Já se passaram mais de 20 anos desde que Jill visitou pela primeira vez a clínica de Schenck. Hoje, segundo ela, sua síndrome das pernas inquietas e transtorno alimentar relacionado ao sono estão em grande parte controlados, graças a uma combinação de três medicamentos prescritos por Schenck.

    “Eu os tomo cedo à noite porque demora um pouco para os medicamentos fazerem efeito — até o Dr. Schenck ficou surpreso que eu os tome tão cedo para acalmar meu sistema até a hora de dormir”, conta Jill. “Os medicamentos funcionam 95% do tempo, mas então terei um dia e uma noite ruim ocasionalmente. Quando eles não funcionam, é simplesmente exaustivo.”

    Ela faz o possível para manter alimentos ultraprocessados que podem desencadear o transtorno fora de sua casa, um desejo que às vezes é sabotado pelos petiscos que ela tem à mão quando seus netos visitam. Mas sua vida agora é muito melhor do que antes de começar o tratamento.

    “Sou muito, muito, muito grata por finalmente encontrar alguém que entenda o que estou passando,” disse Jill. “Eu sei que existem milhares de pessoas por aí sofrendo como eu, e meu coração está com elas. É uma jornada difícil de percorrer.”

    Seu conselho para os outros? Seja seu melhor defensor.. Faça pesquisas e leia sobre o transtorno para saber quais perguntas fazer ao médico. E, acima de tudo, disse ela, peça um estudo do sono para descobrir o que está desencadeando o comportamento.

    “Não deixe os médicos te menosprezarem, te ignorarem ou te fazerem se sentir mal,” disse. “Um médico pode não querer fazer um estudo do sono, então encontre outro médico que queira. Simplesmente continue lutando até encontrar o médico certo. Procure uma segunda opinião, até uma terceira se achar necessário. Não desista.”

    Apneia do sono: entenda o que é, sintomas e possíveis tratamentos

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original