Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Redes sociais apresentam “risco profundo de danos” para crianças, alerta cirurgião-geral dos EUA

    Em comunicado, Vivek Murthy cobra mais pesquisas sobre o impacto das redes sociais para a saúde mental dos jovens, bem como ações de formuladores de políticas e de empresas de tecnologia

    Comunicado inclui recomendações para famílias que lidam com o uso da mídia social
    Comunicado inclui recomendações para famílias que lidam com o uso da mídia social Maskot/Getty Images

    Meg Tirrellda CNN

    Não há evidências suficientes para determinar se uma rede social é segura o suficiente para crianças e adolescentes quando se trata de sua saúde mental, de acordo com um novo comunicado do cirurgião-geral dos Estados Unidos, Vivek Murthy.

    O comunicado desta terça-feira (23) aponta que, embora haja alguns benefícios, o uso da mídia social apresenta “um profundo risco de danos” para as crianças. O documento cobra mais pesquisas sobre o impacto das redes sociais para a saúde mental dos jovens, bem como ações de formuladores de políticas e de empresas de tecnologia.

    O aviso de 25 páginas ocorre quando um número crescente de estados pretende endurecer os regulamentos sobre plataformas de mídia social, incluindo esforços em Montana, nos EUA, para banir o TikTok.

    Os conselhos gerais do cirurgião são projetados para chamar a atenção para questões urgentes de saúde pública e fornecer recomendações sobre como elas devem ser abordadas, destaca o novo relatório. Avisos anteriores focaram na saúde mental dos jovens de forma mais ampla, desinformação sobre saúde e uso do antídoto de overdose de opioides naloxona.

    “Estamos no meio de uma crise de saúde mental juvenil e estou preocupado que a mídia social esteja contribuindo para os danos que as crianças estão enfrentando”, disse o cirurgião-geral Vivek Murthy à CNN.

    “Por muito tempo, colocamos todo o fardo do gerenciamento de mídia social nos ombros de pais e filhos, apesar do fato de que essas plataformas são projetadas por alguns dos engenheiros e designers mais talentosos do mundo para maximizar a quantidade de tempo que nossos filhos gastam com elas”, disse ele. “Então essa não é uma luta justa. É hora de termos o apoio para pais e filhos.”

    O comunicado inclui uma revisão das evidências disponíveis sobre os efeitos das redes sociais na saúde mental dos jovens, observando que o uso de mídias sociais entre crianças é “quase universal”: até 95% dos adolescentes de 13 a 17 anos relatam usar mídias sociais, com mais mais de um terço dizendo que o usa “quase constantemente”. E embora 13 seja geralmente a idade mínima para usar sites de mídia social nos EUA (uma idade que Murthy disse anteriormente ser muito jovem, o comunicado observa que quase 40% das crianças de 8 a 12 anos também usam as plataformas.

    “Devemos reconhecer o crescente corpo de pesquisa sobre danos potenciais, aumentar nossa compreensão coletiva dos riscos associados ao uso de mídia social e tomar medidas urgentes para criar ambientes digitais seguros e saudáveis”, diz o comunicado.

    O relatório cita várias maneiras pelas quais a rede social pode causar danos à saúde mental dos jovens, observando que os anos da adolescência são um período particularmente vulnerável para o desenvolvimento do cérebro. Ele detalha estudos que encontraram correlações entre o uso de mídia social e depressão e ansiedade, bem como falta de sono, assédio online e baixa autoestima, principalmente para meninas.

    Um estudo com 6.595 adolescentes americanos entre 12 e 15 anos apontou que aqueles que passavam mais de três horas por dia nas redes sociais tinham o dobro do risco de sintomas de depressão e ansiedade do que os não usuários, observa o relatório. Ele também cita estudos que indicaram que a redução do uso de mídia social levou a melhorias na saúde mental.

    O uso de rede social apresenta um risco de exposição a conteúdo perigoso, incluindo representações de automutilação, “que podem normalizar tais comportamentos”, diz o comunicado. O documento também cita 20 estudos que encontraram uma relação significativa entre o uso de mídias sociais e preocupações com a imagem corporal e transtornos alimentares.

    Murthy disse à CNN que as três coisas mais comuns que ele ouve das crianças sobre a mídia social são: “número um, isso as faz se sentirem pior sobre si mesmas; número dois, faz com que se sintam pior em relação às suas amizades; mas número três, elas não podem sair disso.”

    O uso excessivo de mídias sociais pode interromper importantes comportamentos saudáveis, incluindo o sono, alerta o comunicado, observando que as plataformas geralmente são projetadas para manter os usuários envolvidos com notificações de push, reprodução automática e recursos de rolagem infinita e algoritmos que usam os dados do usuário para personalizar as recomendações de conteúdo. Ele cita a crença de alguns pesquisadores de que a exposição à mídia social, com estimulação excessiva dos centros de recompensa do cérebro, “pode desencadear caminhos comparáveis ao vício.”

    O resumo do comunicado sobre os riscos potenciais do uso das redes sociais na saúde mental dos jovens abrange cinco páginas; sua descrição dos benefícios potenciais leva apenas meia página.

    O documento observa que a mídia social pode fornecer comunidade positiva e conexão com outras pessoas, o que pode ser especialmente importante para crianças que geralmente são marginalizadas. O texto cita estudos que mostram os benefícios de saúde mental do uso de mídia social para lésbicas, gays, bissexuais, assexuais, transgêneros, queer, intersexuais e outros jovens por meio de conexões com colegas e “conteúdo de afirmação de identidade” relacionado à raça que foi positivo para adolescentes negros. Por fim, observa que a mídia social pode ser útil ao conectar algumas crianças com cuidados de saúde mental.

    O comunicado inclui recomendações para famílias que lidam com o uso da mídia social, incluindo a criação de planos de mídia familiar, encorajando as crianças a desenvolver amizades pessoais e modelando um bom comportamento na mídia social.

    Murthy disse que é algo que ele e sua esposa discutiram para seus filhos, que agora têm 5 e 6 anos.

    O plano deles é adiar o uso da mídia social até pelo menos depois do ensino médio; tentar encontrar outras famílias para fazer parceria com inclinações semelhantes, “porque há força nos números”; e reavaliar quando as crianças estão no ensino médio para ver se melhores padrões de segurança foram implementados “e são realmente aplicados”, disse ele.

    “Nada disso é fácil para os pais fazerem”, ele reconheceu. “É por isso que estamos pressionando tanto por meio deste comunicado para defender ações urgentes.”

    Murthy diz que espera que o relatório estimule ações em vários níveis, como aumento de pesquisa e financiamento para isso, mudanças de política e, particularmente, maior transparência e ação de empresas de tecnologia.

    “Pesquisadores independentes nos dizem o tempo todo que têm dificuldade em obter acesso total às informações de que precisam de empresas de tecnologia sobre os impactos na saúde das crianças”, disse ele.

    Ele disse que as empresas de mídia social devem seguir padrões semelhantes para proteger as crianças como outras indústrias.

    “Adotamos essa abordagem de segurança primeiro com outros produtos que as crianças usam, de medicamentos a cadeirinhas e brinquedos”, disse Murthy. “Precisamos fazer isso aqui também.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original