Regeneron diz que coquetel de anticorpos previne Covid-19 sintomática em 81%

A droga forneceu 72% de proteção contra infecções sintomáticas na primeira semana e 93% de proteção nas semanas subsequentes, disse a farmacêutica

Regeneron disse que buscará a expansão da autorização de uso emergencial para o medicamento
Regeneron disse que buscará a expansão da autorização de uso emergencial para o medicamento Foto: Reuters

Por Jamie Gumbrecht, da CNN

Ouvir notícia

(CNN) Novos dados do ensaio de Fase 3 mostram que uma única injeção do coquetel contra a Covid-19 de anticorpos desenvolvido pela farmacêutica Regeneron mostrou-se capaz de prevenir a doença sintomático entre pessoas expostas ao vírus. Os resultados foram divulgados pela empresa nesta segunda-feira em um comunicado à imprensa (12).

A Regeneron disse que buscará a expansão da autorização de uso emergencial para o medicamento, atualmente disponível nos Estados Unidos para tratar Covid-19 leve a moderado em pessoas já infectadas. No novo teste, o medicamento, denominado REGEN-COV, reduziu o risco de infecções sintomáticas em 81%. 

O ensaio estudou a combinação do Regeneron de casirivimabe com imdevimabe em 1.505 pessoas que não haviam sido infectadas com coronavírus, mas viviam na mesma casa que alguém com teste positivo nos quatro dias anteriores. 

Cada participante recebeu uma dose do medicamento ou um placebo, sem qualquer efeito, administrado na forma de injeção subcultânea. Após 29 dias, 11 pessoas que receberam uma dose única de 1.200 mg do tratamento desenvolveram Covid-19 sintomático; 59 pessoas que receberam um placebo desenvolveram Covid-19 sintomático. 

A droga forneceu 72% de proteção contra infecções sintomáticas na primeira semana e 93% de proteção nas semanas subsequentes, disse a farmacêutica. Ainda segundo os dados, aqueles que receberam o coquetel de anticorpos e tiveram uma infecção sintomática resolveram seus sintomas em uma semana, em comparação com três semanas entre aqueles que receberam um placebo.Os dados ainda não foram revisados ??por pares ou publicados.

“Apesar das precauções padrão para reduzir a transmissão, quase 10% dos indivíduos não vacinados que vivem com uma pessoa infectada desenvolveram infecções sintomáticas se não receberam REGEN-COV”, afirmou Myron Cohen, que lidera os esforços de anticorpos monoclonais para a Rede de Prevenção COVID e é o diretor do Instituto de Saúde Global e Doenças Infecciosas da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill. 

“Se autorizada, a administração subcutânea conveniente de REGEN-COV pode ajudar a controlar surtos em ambientes de alto risco onde os indivíduos ainda não foram vacinados, incluindo famílias individuais e ambientes de vida em grupo”. Os eventos adversos ocorreram em 20% dos pacientes que receberam o medicamento e 29% daqueles que receberam um placebo, disse Regeneron. 

Nenhum dos participantes que receberam o medicamento foi hospitalizado ou necessitou ir ao pronto-socorro por causa do Covid-19 ao longo de 29 dias; quatro no grupo do placebo o fizeram. Nenhuma das quatro mortes no ensaio – duas entre aqueles que receberam a droga e duas que receberam um placebo – foram devido ao Covid-19 ou à droga.

O medicamento está atualmente autorizado para ser administrado por via intravenosa, o que leva mais tempo e pode ser parte da razão pela qual a adoção do tratamento foi limitada. Agora, a empresa busca expandir a autorização para injeção subcultânea.

A Regeneron também anunciou que um segundo ensaio de Fase 3 estudou uma injeção de seu coquetel de anticorpos em 204 pessoas assintomáticas recentemente infectadas com o coronavírus. Uma única injeção reduziu o risco de progredir para Covid-19 sintomático em 31% no geral. Após o terceiro dia, o risco foi reduzido em 76%. 

Os participantes receberam o tratamento ou um placebo, e o estudo mostrou que a duração dos sintomas foi encurtada e os níveis virais foram reduzidos naqueles que receberam o coquetel de anticorpos.

Eli Lilly

Outra farmacêutica norte-americana, Eli Lilly, anunciou anteriormente que sua terapia com anticorpos monoclonais, bamlanivimab, também ajudou a prevenir a infecção sintomática de Covid-19 entre residentes de asilos e funcionários. No entanto, o governo dos EUA disse no mês passado que não distribuirá mais o bamlanivimab para uso por conta própria devido a um aumento sustentado nas variantes do coronavírus nos Estados Unidos. 

O bamlanivimab ainda pode ser usado com o etesevimabe, outro tratamento com anticorpo monoclonal desenvolvido pela Eli Lilly; em combinação, os dois tratamentos da Eli Lilly parecem funcionar contra as variantes do coronavírus. Até agora, o coquetel do Regeneron demonstrou ser eficaz contra as variantes do coronavírus.

(Texto traduzido. Leia o original aqui).

Mais Recentes da CNN