RS vai usar técnica de pesquisa de opinião para ampliar testes do coronavírus

Iuri Pittada CNN

Ouvir notícia

Epidemiologistas do Rio Grande do Sul preparam um sistema de teste do novo coronavírus por amostragens da população, para levantar uma base de dados mais completa e estimar a propagação do vírus e seu comportamento.

Reunidos em um comitê criado pelo governador Eduardo Leite (PSDB), os pesquisadores gaúchos esperam ter condições de começar o levantamento a partir da próxima semana.

A ideia é adotar técnicas semelhantes às usadas em pesquisas de opinião pública, em que se consegue fazer projeções válidas para a população como um todo a partir de estratos, definidos com base em critérios como gênero, raça, faixa etária e condição socioeconômica. Com isso, Leite espera contar com um monitoramento mais completo do quadro de pessoas infectadas e das acometidas pela COVID-19. 
Atualmente, o Brasil tem dado preferência ao teste de casos graves de doença respiratória – a medida é adotada para fazer um uso mais eficiente dos recursos, mas tem como contrapartida a subnotificação de pessoas infectadas sem gravidade.

O Rio Grande do Sul já registrou uma morte pela doença e, até a tarde de quarta-feira (24), contabilizava 162 casos. O site do governo estadual informa os registros oficiais também por mapa: mais da metade (87) se concentram em Porto Alegre e os demais se espalham por outros 37 municípios. Pelas condições climáticas e perfil populacional (inverno rigoroso para os padrões brasileiros e grande contingente de idosos), o Estado é um dos que mais despertam preocupação das autoridades de saúde em relação ao coronavírus.

Decisão com base em evidências

Na reunião por teleconferência de governadores, realizada na tarde de quarta-feira, o tucano destacou aos colegas a importância de tomar decisões com base em evidências científicas e dados. Mais jovem governador do país, Leite, de 35 anos, estudou administração pública em São Paulo e Nova York entre o fim do mandato como prefeito de Pelotas, em 2016, e a votação na qual se elegeu, dois anos depois.

Mais Recentes da CNN