Saiba como Israel tem vacinado tão rápido e por que isso pode ocorrer no Brasil

O feito só foi possível porque o sistema de saúde de Israel tem garantia de saúde universal, assim como o SUS no Brasil

Foto: Reuters

Juliana Faddul, colaboração para a CNN

Ouvir notícia

Nas últimas semanas, Israel ganhou as manchetes internacionais por conseguir o que todo o mundo, literalmente, queria: ter um início rápido e eficaz na imunização contra a Covid-19. Mais de 37% dos 9 milhões de israelenses já estão imunizados e a expectativa é de que, até meados de março, a porcentagem chegue à totalidade.

O feito só foi possível porque o sistema de saúde de Israel tem garantia de saúde universal, ou seja, por meio de uma participação público-privada, todo cidadão israelense tem direito e acesso desde a saúde básica.

Isso significa que o país já tinha a estrutura básica necessária para iniciar a vacinação – ao contrário de outras nações, como os EUA e a Inglaterra, que vêm tropeçando em quesitos como armazenamento e logística.

Ver o avanço da vacinação em Israel é positivo para o Brasil, já que o Sistema Único de Saúde (SUS) também tem a estrutura necessária para agilizar a imunização, como esquema de logística e armazenamento, o que pode facilitar o processo de vacinação.

No domingo (17) membros da Anvisa se reúnem para avaliar os pedidos do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para uso emergencial das vacinas.

A previsão, dada pelo ministro Eduardo Pazuello, é de que até novembro todos os brasileiros tenham tomado as duas doses da vacina.

Embora os sistemas sejam muito similares, a diferença está na forma de como os aportes financeiros são coletados.

Enquanto no Brasil existe o SUS, ou seja, o financiamento é feito por impostos pagos pela população, em Israel, o cidadão é obrigado a escolher entre um dos quatro planos de saúde sem fins lucrativos existentes e concorrentes.

Esses planos são financiados por um imposto de renda nacional e um imposto de saúde relacionado com o rendimento financeiro.

Em entrevista à CNN, Daniel Douek, diretor do Instituto Brasil-Israel, falou sobre as peculiaridades de ambos sistemas.  

Por que a vacinação está ocorrendo tão rápido em Israel?

São vários os motivos que explicam o fato de a vacinação em Israel estar ocorrendo rapidamente. Em primeiro lugar, por o país ter saído na frente na corrida pela vacina, tendo negociado previamente a aquisição de grandes lotes, o que permitiu o início da campanha já no dia 19 de dezembro.

Além disso, devido ao acesso universal ao sistema de saúde, que possui infraestrutura sanitária bem distribuída e equipada com recursos tecnológicos de ponta.

Pode-se citar ainda aspectos culturais da população associados a um ethos derivado da própria formação do Estado, e que resulta na capacidade de mobilização das pessoas e das  instituições, acostumadas aos esforços de guerra.

Por fim, destaca-se o papel desempenhado por Benjamin Netanyahu, que encara a campanha de vacinação como uma missão pessoal, inclusive para a sua própria sobrevivência política.

Com as próximas eleições agendadas para o dia 23 de março, o premiê, que responde na justiça a acusações de corrupção, aposta na vacina como cartada para reabrir a economia e melhorar a vida dos israelenses, depois de a Covid-19 ter matado mais de 3.803 pessoas, um número maior do que o de vítimas nas guerras de 1967 e de 1973 somadas.

Netanyahu foi o primeiro a se vacinar e o fez com transmissão ao vivo pela televisão, clamando para que todos os cidadãos seguissem seu exemplo.

Quais as principais diferenças e similaridades entre os sistemas de Israel e do Brasil?

A principal similaridade é a garantia de saúde universal. A diferença é que, enquanto no Brasil existe o Sistema Único de Saúde (SUS), no caso de Israel, a população é obrigada a escolher entre um dos quatro planos de saúde sem fins lucrativos existentes e concorrentes (financiados basicamente por um imposto de renda nacional e um imposto de saúde relacionado com o rendimento).

O sistema de saúde de Israel sempre teve co-participação público-privada? Ou teve alguma reforma na área da saúde para implementar este novo método?  

O sistema de saúde universal existe desde antes da fundação do Estado e se mantém até agora. Já a lei do Seguro Nacional de Saúde, que garantiu cobertura universal para cidadãos e residentes permanentes por meio do vínculo com um dos quatro planos de saúde existentes no país é de 1995.

Qual a previsão de imunização total no país? 

Israel já vacinou mais de 20% da população, e a expectativa é de imunização total acima dos 16 anos até o final de março.

 

 

 

 

Mais Recentes da CNN