São Paulo confirma quarto caso da variante Ômicron

Homem de 67 anos não tinha histórico de viagem, estava totalmente vacinado e tem apenas sintomas leves; Brasil tem, ao todo, oito confirmações da variante

Representação gráfica do novo coronavírus
Representação gráfica do novo coronavírus Getty Images

Tiago Tortellada CNN

Ouvir notícia

O Governo de São Paulo confirmou neste sábado (11) o quarto caso da variante Ômicron no estado.

Trata-se de um homem de 67 anos, que não viajou recentemente para outro país.

Ele tem esquema vacinal completo, tomou a dose de reforço com Pfizer, e apresenta apenas sintomas leves, como calafrio, segundo o governo estadual. Ele se encontra em isolamento domiciliar.

O diagnóstico positivo para a Covid-19 foi no dia 7 de dezembro, com um teste RT-PCR. A amostra foi submetida a sequenciamento genético, confirmando infecção pela variante Ômicron.

De acordo com o governo, não é possível confirmar se a situação já configura transmissão local. A Vigilância municipal de São Paulo está buscando as pessoas com quem o homem teve contato. Com essa análise será possível identificar se é um caso isolado ou não.

Os outros três casos da Ômicron em São Paulo eram de pessoas que tinham viajado para outros países recentemente, e todos os pacientes estavam completamente vacinados, tendo apenas sintomas leves ou assintomáticos.

A última confirmação de um caso “importado” ocorreu no dia 1° de dezembro. Um homem de 29 anos foi testado ao desembarcar no Brasil, no aeroporto de Guarulhos, cidade onde seguiu monitorado pela vigilância municipal. Os dois primeiros foram confirmados em 30 de novembro, e são de um homem de 41 anos e uma mulher de 37 anos vindos da África do Sul, também com esquema vacinal completo.

Segundo o levantamento da Agência CNN, o Brasil registra oito casos da variante Ômicron do coronavírus. Além de São Paulo, o Distrito Federal e o Rio Grande do Sul confirmaram dois casos cada.

Também segundo a Agência CNN, 60 países já registram infecções com a nova variante.

Mais Recentes da CNN