Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    São Paulo vacina adolescentes entre 15 e 17 anos a partir de segunda-feira (30)

    Prefeitura estima 357,3 mil pessoas na faixa etária para receberem o imunizante da Pfizer, único liberado pela Anvisa para menores de 18 anos

    Douglas PortoCarolina Figueiredoda CNN

    em São Paulo

    A Prefeitura de São Paulo irá começar a vacinar adolescentes entre 15 e 17 anos sem comorbidades a partir da segunda-feira (30). É estimada a imunização de 357,3 mil pessoas na faixa etária, mesmo número de doses recebidas pela cidade da vacina da Pfizer, única liberada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para menores de 18 anos.

    A vacinação acontece nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), nos megapostos e drive-thrus. É necessário estar acompanhado dos país ou responsável. Caso não seja possível, o adolescente deve estar acompanhado por um adulto com uma autorização assinada pelos responsáveis do menor. É preciso levar documento de identificação, preferencialmente o Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) e comprovante de endereço do município de São Paulo, que para menores é aceito no nome dos responsáveis.

    O preenchimento do pré-cadastro no site Vacina Já, do governo estadual, não é obrigatório, mas diminui o tempo de espera. É necessário inserir os dados como nome completo, CPF, endereço, telefone e data de nascimento.

    A Secretaria Municipal de Saúde recomenda que antes de ir ao posto de vacinação seja consultado a página De Olho na Fila, que informa a movimentação no local escolhido. A lista completa de pontos está disponível no site da administração municipal.

    Cadastro para para “xepa da vacina” para adolescente entre 12 e 14 anos

    A partir de segunda-feira também estará disponível o cadastramento para a “xepa da vacina” –as doses remanescentes– nas UBS para adolescentes entre 12 e 14 anos sem comorbidades.

    É necessário levar os documentos até a unidade e preencher o cadastro para que caso haja sobra, a pessoa interessada seja informada e vacinada, assim existindo desperdício de doses.