Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sem teste no Brasil, vacina indiana não pode usar submissão contínua, diz Anvisa

    Agência brasileira confirmou contato da Bharat Biotech e disse estar disponível para se reunir e prestar esclarecimentos ao laboratório que criou a Covaxin

    Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo



     

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta segunda-feira (4) que a vacina indiana Covaxin, desenvolvida contra o novo coronavírus pelo laboratório Bharat Biotech, não pode usar o procedimento de submissão contínua para pedir seu registro pois não realizou testes clínicos no Brasil.

    “O laboratório indiano Bharat Biotech fez um primeiro contato com a Anvisa para iniciar o procedimento de submissão contínua, que é quando os dados de estudos de uma vacina são apresentados aos poucos para análise da agência reguladora, conforme a disponibilidade da empresa interessada em desenvolver a vacina”, informou a agência brasileira, em nota.

    “Este procedimento de submissão contínua é restrito a empresas que possuem ensaio clínico em condução aqui no Brasil. Ocorre que esta vacina não está sendo testada no Brasil”, completou.

    O órgão brasileiro disse que a Gerência-Geral de Medicamentos da Anvisa entrou em contato com representantes do laboratório Bharat Biotech no Brasil e se colocou à disposição para realizar uma reunião e prestar esclarecimentos. 

    Assista e leia também:
    Clínicas privadas brasileiras negociam compra de vacina da Índia
    Índia planeja vacinar 300 milhões até agosto — mais que a população do Brasil
    Vacina indiana deve ficar pronta em fevereiro

    A vacina contra a Covid-19 desenvolvida por institutos indianos foi batizada de
    A vacina contra a Covid-19 desenvolvida por institutos indianos foi batizada de Covaxin
    Foto: Reprodução/Bharat Biotech

    “Ao mesmo tempo, a Assessoria Internacional da Anvisa está em contato com a autoridade sanitária da Índia. Informações preliminares indicam que essa empresa tem um estudo clínico fase 3, em condução na Índia”, disse a Anvisa.

    Nesta segunda-feira (4), representantes da Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) viajaram à Índia para negociar a aquisição de cinco milhões de doses da vacina.

    A expectativa do setor, em um cenário otimista, é de que as doses estejam disponíveis no mercado nacional já em março de 2021.

    Registro emergencial na Índia

    A vacina Covaxin obteve no sábado (2) recomendação para seu uso emergencial na Índia pelas autoridades de saúde do país.

    A vacina, administrada em duas doses com intervalo de duas semanas entre elas, induziu um anticorpo neutralizante, provocando uma resposta imune e levando a resultados eficazes em todos os grupos de controle, sem eventos adversos graves relacionados à vacina.

    Na última fase antes da liberação para uso emergencial, ela foi aplicada em 26 mil voluntários em 22 localidades da Índia.

    A Bharat Biotech se comprometeu em fornecer 100 milhões de doses para o governo indiano, das 300 milhões que tem de capacidade produtiva.