Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Síndrome do desconforto respiratório agudo: o que é, quais os sintomas e tratamento

    Condição grave pode se manifestar como uma resposta inflamatória do organismo a uma agressão pulmonar de diversas origens, como infecções virais e bacterianas

    Lucas Rochada CNN

    em São Paulo

    A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é uma manifestação clínica grave associada à inflamação dos pulmões. O problema é causado a partir de uma resposta exagerada do organismo na tentativa de combater infecções com diversas origens, como vírus e bactérias.

    A ex-atleta Isabel Salgado, ícone do vôlei brasileiro, morreu nesta quarta-feira (16), aos 62 anos. Isabel teve infecção por uma bactéria e pelo vírus influenza, de acordo com informações confirmadas por Pedro Solberg à CNN.

    Isabel teria sido acometida pela síndrome de desconforto respiratório aguda (SDRA), segundo informações ainda não confirmadas oficialmente pela família e pelo Hospital Sírio-Libanês.

    Causas da síndrome do desconforto respiratório agudo

    O médico pneumologista Gustavo Prado, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo, explica que a condição, que já foi nomeada no passado como síndrome da angústia respiratória aguda (SARA), atinge os dois pulmões e pode se manifestar como uma resposta do organismo a uma agressão pulmonar de diversas origens.

    “Entre as causas estão infecções bacterianas e virais, inalação de substâncias tóxicas ou a aspiração para o pulmão de conteúdo ácido do estômago, como podemos ter em episódios acidentais de engasgo após um vômito”, explica.

    Segundo o especialista, a síndrome é a forma como o pulmão reage, muitas vezes desproporcionalmente, com uma inflamação.

    “A manifestação disso, uma vez que os alvéolos são preenchidos por conteúdo inflamatório e os vasos são acometidos, é uma queda da nossa capacidade de oxigenação do sangue, que quase que inevitavelmente leva o paciente à necessidade de intubação e ventilação mecânica”, destaca.

    Condição grave

    A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é um quadro clínico grave caracterizado por sintomas como tosse e falta de ar severa.

    “Trata-se de uma condição tão grave que é uma falta de ar extrema que leva a pessoa a uma insuficiência respiratória, que muitas vezes não é passível de estabilização às custas de métodos não invasivos, como uso de oxigênio através de cateter, de máscara ou mesmo aquela ventilação não invasiva”, explica Prado.

    O diagnóstico é feito através da combinação de critérios clínicos e critérios radiológicos, segundo Prado.

    “Através da imagem vemos padrão de opacidades pulmonares bilaterais, observamos clinicamente a instalação de uma insuficiência respiratória aguda, monitoramos valores de oxigenação do sangue mais baixos e afastamos outros diagnósticos diferenciais, como o de edema pulmonar em um paciente com insuficiência cardíaca. Com essa composição de critérios clínicos, os critérios radiológicos e o afastamento de diagnósticos diferenciais temos o diagnostico da síndrome do desconforto respiratório agudo”, afirma.

    Tratamento da síndrome

    A gravidade do problema indica a necessidade de tratamento em unidade de terapia intensiva (UTI). Sem o cuidado contínuo, o paciente pode evoluir para complicações e morte.

    “O tratamento é o da causa de base. Por ela ser uma manifestação inflamatória em resposta a uma outra injúria, então temos o tratamento da infecção que mais frequentemente é a causa da síndrome do desconforto respiratório agudo”, diz o médico.

    “Além do suporte clínico do paciente, feito através da garantia da necessidade de oxigenação, de eliminação do gás carbônico e muito frequentemente através da ventilação mecânica. Ele passa a ser um paciente crítico, de terapia intensiva, com todas as demandas típicas de um paciente crítico”, conclui.