Uma em cada 5 mortes de adultos nos EUA é devido ao consumo excessivo de álcool

Resultado engloba pessoas com idades entre 20 e 49 anos, segundo estudo

Uma a cada 5 mortes de adultos nos EUA é devido ao consumo excessivo de álcool
Uma a cada 5 mortes de adultos nos EUA é devido ao consumo excessivo de álcool Freepik

Madeline Holcombeda CNN

Uma cerveja, um copo de vinho ou um coquetel pode parecer um lugar tão comum que você nem pensa em servir outro, mas um novo estudo sugere que pode ser importante que todos estejam atentos ao uso de álcool.

Estima-se que uma a cada cinco mortes de pessoas com idades entre 20 e 49 anos foram atribuídas ao uso excessivo de álcool nos Estados Unidos, de acordo com o estudo publicado na terça-feira (1º) na JAMA Network Open. Para pessoas com idades entre 20 e 64 anos, as mortes relacionadas ao consumo de álcool representaram 1 em cada 8, segundo o estudo.

A porcentagem de mortes atribuídas ao uso de álcool variou de estado para estado, mas nacionalmente é uma das principais causas de morte evitável, disse a principal autora do estudo, Dra. Marissa Esser, que lidera o programa de álcool do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Os pesquisadores coletaram dados nacionais e estaduais de mortalidade de 2015 a 2019 e analisaram as mortes total ou parcialmente atribuíveis ao consumo excessivo de álcool. Essas causas de morte incluem acidentes de trânsito, intoxicação por álcool e outros impactos na saúde, como doenças do fígado, disse Esser.

Os dados mostraram que as mortes totalmente atribuíveis ao álcool aumentaram na última década, acrescentou Esser. “Não estou surpreso com os números”, disse David Jernigan, professor de direito, política e gestão da saúde da Universidade de Boston. “Esta é uma estimativa conservadora”. Ele não esteve envolvido no estudo.

Esser disse que houve mortes para as quais o álcool provavelmente contribuiu e que os pesquisadores do estudo não puderam incluir em suas estimativas.

Algumas condições podem ter tido o álcool como fator, mas os pesquisadores não conseguiram verificar com certeza o papel que a bebida desempenhou.

Em outros casos, eles não foram capazes de determinar se alguém que morreu de uma doença costumava beber excessivamente, mas depois parou, acrescentou Esser.

E as pessoas muitas vezes subestimam o quanto estão bebendo, disse Jernigan. “Não chega nem perto da atenção que deveria”, disse ele. “A conclusão é que (pesquisadores) continuam mostrando que o uso excessivo de álcool é um grande problema nos EUA”. 

Como saber quando é demais

Para a saúde e a segurança, Jernigan disse que o objetivo das agências governamentais estaduais e locais deve ser incentivar quase todos a beber menos.

“Estados e comunidades podem prevenir essas mortes prematuras usando estratégias baseadas em evidências para reduzir a disponibilidade e acessibilidade do álcool e aumentar seu preço”, disse Esser. Isso pode significar aumentar os impostos sobre o álcool ou limitar onde o álcool é vendido, acrescentou.

Em um nível individual, Esser sugeriu que as pessoas pudessem tentar parar ou limitar o consumo de álcool. O CDC define o consumo moderado como duas bebidas ou menos em um dia para homens ou uma bebida ou menos em um dia para mulheres.

Dois terços dos adultos relatam beber mais do que quantidades moderadas pelo menos uma vez por mês, acrescentou a organização.

O CDC também estima que 1 em cada 6 adultos bebe compulsivamente – definido como consumir quatro ou mais bebidas em uma ocasião para uma mulher ou cinco ou mais bebidas em uma ocasião para um homem – com um quarto deles fazendo isso pelo menos semanalmente.

Reduzir o consumo de álcool pode ter um efeito semelhante ao da dieta – quanto mais você diz a si mesmo que não pode tê-lo, mais deseja, disse Natalie Mokari, nutricionista nutricionista registrada em Charlotte, Carolina do Norte.

Ela recomenda começar com uma bebida a menos do que você normalmente tomaria em cada ocasião ou quebrar um hábito diário limitando a bebida a determinados dias. Você também pode tomar uma água com gás entre as bebidas ou fazer coquetéis mais fracos do que o habitual para reduzir o consumo de álcool, disse ela anteriormente.

E se você está superando a pressão social para beber, lembre-se de que as pessoas podem fazer você se sentir mal porque estão desconfortáveis ​​com seu próprio relacionamento com a bebida, disse Annie Grace, autora de “This Naked Mind: Control Alcohol” em um artigo anterior.

Muitas vezes ajuda ter uma bebida não alcoólica na mão em eventos sociais, então a oferta de uma bebida nem aparece, disse o psicólogo biológico Aaron White, consultor científico sênior do diretor do Instituto Nacional de Abuso de Álcool e Alcoolismo.

Diminua a ingestão de álcool do seu corpo comendo enquanto bebe, alternando bebidas alcoólicas e não alcoólicas e planejando dias sem álcool, sugere Harvard Medical School em Boston.

Uma ferramenta no site do CDC pode ajudar os indivíduos a avaliar seu consumo e, em seguida, elaborar um plano para fazer escolhas de álcool mais saudáveis.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original