União Química vai à Rússia para validar produção de Sputnik V no Brasil

A ideia é que a União Química apresente os materiais de produção no Brasil para que sejam feitos estudos de compatibilidade

Thais Arbexda CNN

Ouvir notícia

 

Uma comitiva da farmacêutica União Química, responsável pela produção da Sputnik V na América Latina, vai embarcar para a Rússia neste sábado (9) para validar o processo de fabricação da vacina russa contra a Covid-19 no Brasil. 

O presidente da companhia brasileira, Fernando Marques, e integrantes da área industrial da empresa farão uma série de encontros com o Instituto Gamaleya para Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia, que desenvolveu a vacina, e com o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (RDIF), que financia a produção da Sputnik V.

A ideia é que a União Química apresente os materiais de produção no Brasil para que sejam feitos estudos de compatibilidade. 

Segundo a CNN apurou, esse é uma espécie de passo final para que União Química dê início à produção da Sputnik V no Brasil.

Assista e leia também

Cancelado ou adiado: saiba como a Covid-19 mudou o Carnaval no Brasil em 2021

Ex-presidente da Anvisa: ‘É imoral vacinação antecipada para quem tem dinheiro’

A companhia pretende começar a produção ainda neste mês, por intermédio dessa transferência de tecnologia, nas unidades da farmacêutica em Brasília e em Guarulhos, na Grande São Paulo.

A ideia da União Química é que a produção da vacina aconteça paralelamente à realização da fase 3 de testes clínicos no Brasil.

Nesta segunda-feira (4), a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) solicitou mais informações sobre a vacina contra a Covid-19, antes de responder ao pedido da empresa para dar início aos estudos da Sputnik V no Brasil.

De acordo com relatos feitos à CNN, a resposta da farmacêutica à agência será enviada até o fim desta semana.

A União Química pretende ingressar com o pedido de uso emergencial da vacina tão logo a Anvisa autorize os testes clínicos no país. 

Hoje, a companhia tem capacidade para produzir 8 milhões de doses por mês neste primeiro trimestre de 2021.

Atualmente, cada dose da Sputnik V custa 10 dólares, mas a União Química acredita ter capacidade para chegar a 5 dólares por dose.

A imunização com a vacina russa também tem que ser feita em duas doses, com um intervalo de 21 dias.

Mais Recentes da CNN