Vacina australiana contra Covid interrompe testes após falsos positivos para HIV

A inoculação, que ainda não havia progredido além dos testes da Fase 1, estava sendo desenvolvida em conjunto pela Universidade de Queensland e a empresa CSL

Ilustração com frascos de vacina contra Covid-19
Ilustração com frascos de vacina contra Covid-19 Foto: Dado Ruvic/Reuters (5.dez.2020)

Holly Yan,

da CNN

Ouvir notícia

Uma candidata a vacina contra o coronavírus produzida na Austrália foi descartada depois que os participantes do teste apresentaram resultados falsos positivos para o HIV, segundo anunciaram os desenvolvedores na sexta-feira (11).

A inoculação, que ainda não havia progredido além dos testes da Fase 1, estava sendo desenvolvida em conjunto pela Universidade de Queensland e a empresa australiana de biotecnologia CSL.

A Austrália esperava que a vacina estivesse disponível em meados de 2021.

Leia também:
Governo fecha acordo para comprar vacina da Pfizer
Depois de tomar vacina, ainda preciso usar máscara?
Agência dos EUA recomenda uso emergencial de vacina da Pfizer contra Covid-19

Em um comunicado, a CSL disse que nenhum efeito colateral sério foi relatado nos 216 participantes do ensaio, e que a vacina mostrou ter um “forte perfil de segurança”. No entanto, os dados do ensaio revelaram que os anticorpos gerados pela vacina interferiram no diagnóstico de HIV e levaram a falsos positivos em alguns testes de HIV.

Segundo a CSL, se a vacina fosse lançada nacionalmente, poderia prejudicar a saúde pública na Austrália, causando uma onda de testes de HIV falso-positivos na comunidade.

“Testes de acompanhamento confirmaram que não há vírus HIV presente, apenas um falso positivo em alguns testes de HIV. Não há possibilidade de a vacina causar infecção”, acrescentou o comunicado.

Destaques do CNN Brasil Business:
Credit Suisse: Brasil tem pior década em 110 anos e retomada só vem com reformas
Pix: Banco Central se surpreendeu positivamente com aceitação do sistema
S&P reafirma rating do Brasil em ‘BB-/B’ e mantém perspectiva estável

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse a repórteres na sexta-feira que a vacina “não fará mais parte do plano de vacinação do país”. A Austrália encomendou preventivamente 51 milhões de doses da vacina da CSL em outubro.

Morrison disse que o país apoiou quatro vacinas que se mostraram promissoras, mas “em nenhum momento acreditou que todas as quatro vacinas provavelmente passariam por esse processo”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).

Mais Recentes da CNN